Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Seroprevalence of Rickettsia rickettsii and Rickettsia parkeri in dogs during a Brazilian Spotted Fever outbreak in the State of Rio de Janeiro / Soroprevalência de Rickettsia rickettsii e Rickettsia parkeri em cães durante um surto de Febre Maculosa Brasileira no Estado do Rio de Janeiro

Poubel, I. T; Cunha, N. C; Fonseca, A. B. M; Pinter, A; Fonseca, A. H; Cordeiro, M. D; Almosny, N. R. P.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online); 70(3): 667-674, maio-jun. 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-911019

Resumo

The present paper is the first to perform this evaluation in dogs from the cities of Natividade, Porciuncula and Varre-Sai. The aim of this study is to search for Spotted Fever Group Rickettsia in canine sera using indirect immunofluorescence assay and to identify the probable causative agent of sera reactions in animals. Of the 253 sampled canines, 67.59% (171/253) were seroreactive for Rickettsia rickettsii and 11.07% (28/253) for Rickettsia parkeri, both in dilution 1:64. Titration of tested sera against R. rickettsii antigens reached 1:131.072 and, for R. parkeri, 1:4.096. We conclude that dogs are important sentinels for R. rickettsii infection, and can be infected regardless of sex, age, the habit of visiting woodlands or being in direct contact with equines and capybaras. Serological diagnosis has highlighted many dogs infected by R. rickettsii, and ambient conditions, such as the presence of flowing water bodies, was important for the occurrence of Brazilian Spotted Fever in the northwestern of Rio de Janeiro State.(AU)
O presente trabalho é o primeiro a ser realizado com cães nos municípios de Natividade, Porciúncula e Varre-Sai e tem por objetivo pesquisar Rickettsias do Grupo da Febre Maculosa em soros de cães, por meio da reação de imunofluorescência indireta, e identificar o provável agente causador da reação sorológica nos animais. Dos caninos amostrados, 67,59% (171/253) foram sororreativos para Rickettsia rickettsii e 11,07% (28/253) para Rickettsia parkeri, ambos em diluição de 1:64. A titulação dos soros testados contra antígenos de R. rickettsii chegou a 1:131.072, e para R. parkeri, 1:4.096. Conclui-se que cães são importantes sentinelas para a infecção por R. rickettsii, independente de sexo, idade, hábito de visitar ambientes florestais ou de estarem em contato direto com equinos e capivaras. O diagnóstico sorológico permitiu evidenciar muitos cães infectados por R. rickettsii, e condições ambientais, como a presença de áreas ribeirinhas, foram importantes para a ocorrência de Febre Maculosa Brasileira na região noroeste do Estado do Rio de Janeiro.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1