Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Occurrence of Ehrlichia canis and Hepatozoon canis and probable exposure to Rickettsia amblyommatis in dogs and cats in Natal, RN

Lopes, Marcos Gomes; Krawczak, Felipe da Silva; Lima, Julia Teresa Ribeiro de; Fournier, Gislene Fatima da Silva Rocha; Acosta, Igor da Cunha Lima; Ramirez, Diego Garcia; Marcili, Arlei; Labruna, Marcelo Bahia; Gennari, Solange Maria.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-20034

Resumo

Abstract Occurrence of infection or exposure to Ehrlichia canis, Hepatozoon canis and Rickettsia spp. was detected in feral cats living in two fragments from Atlantic rainforest, in Natal, RN, Brazil, and in dogs living around the parks. While serum samples were collected from 155 animals (53 cats living in the parks; 29 dogs living in human homes around the parks; and 73 dogs living at an animal control center - ACC), spleen samples were collected from 20 dogs that were euthanized at ACC. Serum samples were analyzed to Rickettsia spp. and E. canis antibodies using the indirect immunofluorescence assay. Seventeen of the 102 dogs (17%) had E. canis antibodies and 13% (20/155) of all dogs and cats (i.e. 3% (3/102) of the dogs and 32% (17/53) of the cats) were seropositive for Rickettsia spp. antigens. The animals were therefore been exposed to R. amblyommatis or by a very closely related genotype. Among the 20 dog spleen samples analyzed, eight were PCR positive for E. canis and two for H. canis (GenBank accession number MG772657 and MG772658, respectively). In none of the spleen samples were obtained amplicons for Babesia spp. through PCR. This study provided the first evidence that Rickettsia of the spotted fever group is circulating among dogs and cats in Natal.
Resumo A ocorrência de infecção ou exposição para Ehrlichia canis, Hepatozoon canis e Rickettsia spp. foi determinada em gatos ferais que viviam em dois fragmentos da Mata Atlântica, localizados em Natal, RN, Brasil e em cães que viviam em torno dos parques e em outras regiões da cidade. Enquanto amostras de soro foram coletadas de 155 animais (53 gatos que viviam nos parques, 29 cães com domicilio em torno dos parques e 73 cães do Centro de Controle de Animais -CCA), fragmentos de baço foram coletados de 20 cães eutanasiados no CCA. A detecção de anticorpos nas amostras de soros coletadas contra Rickettsia spp. e E. canis foi realizada pela Reação de Imunofluorescência Indireta. Dezessete dos 102 cães (17%) apresentaram anticorpos anti E. canis e 13% (20/155) de todos os cães e gatos (ou seja, 3% (3/102) dos cães e 32% (17/53) dos gatos) foram soropositivos para antígenos de Rickettsia spp. Os animais foram considerados expostos à R. amblyommatis ou a um genótipo muito relacionado. Entre as 20 amostras de baço de cães analisadas, oito foram positivas para E. canis e duas para Hepatozoon canis (números de acesso ao Genbank MG772657 e MG772658, respectivamente). Nenhuma das amostras de baço produziram amplicons de Babesia spp. na PCR. Observou-se, pela primeira vez, a circulação de Rickettsia do grupo da febre maculosa em cães e gatos em Natal, RN.
Biblioteca responsável: BR68.1