Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

A importância dos exames neurológico e radiográfico no diagnóstico de lesões cervicais em equino: relato de caso

Rivera, G.G.; Bueno, G.M.; Paula, V.B.; Santo, M.Q.P.; Matsui, A.; Escoba, A.; Vasconcelos, R.O.; Canola, J.C.; Canola, P.A.; Lacerda-Neto, J.C..
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-20177

Resumo

ABSTRACT Cervical vertebral lesions are relatively common in equine patients, but its diagnosis seems challenging for the clinician. Clinical signs most commonly associated with this clinical feature are paresis, paraplegia, tetraparesis, tetraplegia, which may lead the patient to a comatose state, and even death. Fortunately, these clinical signs can be perceived during physical examination. All of which, alongside imaging techniques, may allow a precise diagnose of the location of lesions and prediction of a prognosis for the patient. We present a case report of a Mangalarga mare, with four years of age, presenting signs of post-traumatic tetraplegia with spastic paralysis with increased muscular tonus and hyperreflexia in all four limbs. A thorough neurological examination of the patient associated with conventional and contrast medium radiographic imaging of the cervical region identified lesions at the atlas (C1) and axis (C2, and fifth (C5) and sixth (C6) cervical vertebrae. Fracture of the atlas vertebrae, dislocation of the axis dens as well as subluxation of C5-C6 causing ventrodorsal medullary compression of the spinal cord were diagnosed radiographically. Due to the extent of the lesions the animal was euthanatized with the owners consent. All lesions identified radiographically were posteriorly confirmed during post-mortem examination.
RESUMO As lesões vertebrais cervicais são relativamente comuns nos equinos. No entanto, são poucas as descrições a respeito desse tema na literatura. Acredita-se que esse fato se deva, em parte, às limitações relacionadas ao diagnóstico. Em virtude de um traumatismo cervical, o animal pode apresentar sinais clínicos de paresia e paraplegia até tetraparesia ou tetraplegia, que podem culminar em estado comatoso e, eventualmente, em morte. Esses sinais clínicos podem ser detectados no exame físico, porém, quando associado à imaginologia (avaliação radiográfica), permite a obtenção de diagnóstico mais preciso da lesão. Consequentemente, um prognóstico mais adequado pode ser estabelecido para o paciente. Em face do exposto, apresenta-se o caso de uma égua Mangalarga, de quatro anos de idade, com sinais de tetraplegia pós-trauma, aumento de tônus muscular e paralisia espástica, com hiperreflexia, nos quatros membros. Por meio dos exames neurológicos realizados na paciente, em associação com as imagens radiográficas convencionais e contrastadas, foi possível estabelecer o diagnóstico do quadro. O animal apresentava lesões envolvendo as duas primeiras vértebras cervicais, atlas (C1) e áxis (C2), e a quinta e a sexta vértebra (C5-C6), destacando fratura de C1, deslocamento do dente de C2 e subluxação entre C5 e C6, com compressão ventrodorsal da medula espinhal. Confirmadas as suspeitas neurológicas e mediante prognóstico desfavorável, o animal foi submetido à eutanásia, com consentimento do proprietário. As lesões observadas nas imagens radiográficas foram confrontadas e confirmadas na necropsia.
Biblioteca responsável: BR68.1