Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Ramos do arco aórtico e da aorta torácica em bicho-preguiça (Bradypus variegatus) / Branches of the aortic arch and thoracic aorta of the sloth (Bradypus variegatus)

Albuquerque, P. V; Sena, D. G. F; Braz, R. S; Mesquita, E. P; Lacerda, M. A. S; Silva, W. J; Sá, F. B; Amorim, M. J. A. A. L.
Arq. bras. med. vet. zootec; 70(4): 1203-1211, jul.-ago. 2018. ilus, tab
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-20606

Resumo

As preguiças são mamíferos arborícolas, bem específicos quanto aos hábitos e à morfofisiologia. Essa condição faz delas ainda mais vulneráveis aos impactos ambientais. Com o objetivo de fornecer informações que auxiliem na clínica médico-cirúrgica desses Xenarthras, realizou-se um estudo do arco aórtico e da artéria aorta torácica, a fim de se identificarem seus principais ramos. Foram utilizados 10 animais da espécie Bradypus variegatus, sendo uma fêmea e três machos submetidos a dissecação, por meio da qual foram obtidas medidas de diâmetro e comprimento dos vasos, enquanto três fêmeas e três machos destinaram-se à técnica de radiografia digital com contraste. Constatou-se uma sintopia uniforme do arco, bem como da porção descendente da artéria aorta no tórax. No entanto, a topografia difere consideravelmente. Com base nos ramos, percebeu-se, independentemente do sexo, uma maior variação naqueles originados do arco e dos que emergem da artéria aorta torácica e irrigam estruturas medianas e do antímero direito do tórax. Foram obtidos valores maiores para o diâmetro das artérias na fêmea do que nos machos e, para o comprimento da artéria aorta torácica, foram encontrados valores correspondentes em ambos. Toda essa variação dos bradipodídeos apresenta diferenças em relação a outros mamíferos.(AU)
Sloths are arboreal mammals, very specific, regarding their habits and morphology. This condition makes them even more vulnerable to environmental impacts. In order to provide information to assist in the medical and surgical assistance to these Xenarthras, a study of the aortic arch and thoracic portion of the descending aorta was carried out with the purpose of identify its main branches. Ten animals of the Bradypus variegatus species were used. One female and three males were submitted to dissection, where measurements of vessel diameter and length were obtained, while three females and three males were submitted to the digital contrast x-ray technique. There was a uniform syntopy of the arch, as well as of the descending portion of the aorta in the thorax. However, the topography differs considerably. Based on the branches, regardless of gender, a greater variation was observed in those originating from the arch, and those that emerge from the thoracic aorta and irrigate medial structures and the right antimere of the thorax. Greater values were obtained for the diameter of the arteries in the female than in the males and corresponding values for the length of the thoracic aorta in both. All this variation is possibly related to the adaptive processes of Bradipodidae over time.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1