Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Drying of macaw palm fruits and its influence on oil quality / Secagem em frutos de macaúba e sua inflûencia na qualidade do óleo

Silva, Gutierres Nelson; Evaristo, Anderson Barbosa; Grossi, José Antonio Saraiva; Campos, Larissa Sousa; Carvalho, Marcela Silva; Pimentel, Leonardo Duarte.
Semina Ci. agr.; 38(5): 3019-3030, Set.-Out. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-24966

Resumo

After harvest, macaw palm fruits show high deterioration rates when improperly preserved. A possible cause is the high fruit water content favoring enzymatic and microbiological degradation. Therefore, this study aimed to evaluate the effect of drying on the mesocarp oil quality during storage and to set the drying curve of macaw palm fruits. For that, two experiments were carried out. In the first, the drying curve of macaw palm fruits was determined at 60 C, and mathematical models were defined for the process. Drying was performed with freshly harvested fruits (S0) and with fruits stored for 20 days after harvest (S20). Fruits were stored for 20 days after harvested and then went through drying. The fruits were dried in a prototype dryer at 60 C. After drying, the fruits were stored for different periods (0, 15, 30, 45, 60, and 90 days) and evaluated for oil physicochemical parameters. When compared to S0, drying of macaw palm fruits in the S20 treatment showed a lower drying time until equilibrium moisture was reached. In general, all the mathematical models tested were adequate to describe the drying process. Fruits dried at 60 C controlled mesocarp oil acidification for up to 90 days in storage. On the other hand, drying impaired the mesocarp oil oxidative stability. We may conclude that the drying process is efficient to maintain acidity during the storage of macaw palm fruits.(AU)
Frutos de macaúba apresentam elevada deterioração quando não conservados adequadamente após a colheita. Uma possível causa é o elevado teor de água nos frutos, o que pode favorecer a degradação enzimática e microbiológica dos frutos. Diante do exposto, objetivou-se com esse estudo avaliar o efeito da secagem na manutenção da qualidade do óleo do mesocarpo durante o armazenamento e determinar a curva de secagem de frutos de macaúba. Para isso, realizou-se dois experimentos. No primeiro, determinou-se a curva de secagem dos frutos de macaúba na temperatura de 60 C e definiu-se modelos matemáticos para o processo. A secagem foi realizada com frutos recém colhidos (S0) e frutos armazenados durante 20 dias após a colheita (S20). Após a colheita os frutos foram armazenados durante 20 dias, após esse período foi realizado o processo de secagem. Os frutos foram secos em um secador protótipo a temperatura de 60C. Após a secagem, os frutos foram armazenados por diferentes períodos (0, 15, 30, 45, 60 e 90 dias) e avaliados quanto aos parâmetros físico-químicos do óleo. A secagem dos frutos de macaúba no tratamento S20, apresentou menor tempo de secagem até atingir umidade de equilíbrio comparado a S0. Em geral, todos os modelos matemáticos testados foram adequados para descrever o processo de secagem. Frutos secos a 60C promoveu controle da acidificação do óleo do mesocarpo por até 90 dias em armazenamento. Por outro lado, a secagem prejudicou a estabilidadeoxidativa do óleo do mesocarpo. Conclui-se que o processo de secagem é eficiente para viabilizar oarmazenamento do fruto de macaúba sem o aumento da acidez.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1