Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Evaluation of equine corneal endothelium after exposure to 0. 05% brilliant blue - an in vitro study / Avaliação do endotélio corneano de equinos após contato com o corante azul brilhante 0, 05% - estudo in vitro

Andrade, M. C. C; Moreno, T. M; Muccillo, M. S; Pigatto, J. A. T; Camilo, E. V.
Arq. bras. med. vet. zootec; 71(4): 1158-1164, jul.-ago. 2019. graf, ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-25267

Resumo

The aim of this study was to evaluate the immediate effects of 0.05% brilliant blue on corneal endothelium of horses. Thirty-eight corneas of 19 horses, male or female, of different ages were studied. Corneas were randomly divided into two groups. Group 1: Corneal endothelium was covered with 0.3mL of brilliant blue 0.05% for 60 seconds followed by rinsing with a balanced salt solution. Group 2: Corneal endothelium was covered with BSS for 60 seconds. The corneas were excised with an 8mm trephine and prepared to analyze posterior endothelial surface using a light microscope (24 corneas) and a scanning electron microscope (14 corneas). The equine posterior corneal endothelium surface observed by optical microscopy and scanning electron microscopy revealed a continuous layer of polygonal cells of uniform size and shape in both the control and treatment groups. Due to non-normal residuals at ANOVA mean comparison, a generalized linear model was utilized at 5% level of significance. The chi-square test stated that treatment and control group were not different statistically. The 0.05% brilliant blue did not cause damage to equine corneal endothelium.(AU)
Objetivou-se avaliar os efeitos imediatos de uma solução de 0,05% de azul brilhante sobre o endotélio da córnea de equinos. Trinta e oito córneas de 19 cavalos, machos ou fêmeas, de diferentes idades foram estudadas. As córneas foram divididas aleatoriamente em dois grupos. Grupo 1: O endotélio corneano foi perfundido com 0,3mL de azul brilhante 0,05% durante 60 segundos seguido por irrigação com uma solução salina balanceada. Grupo 2: O endotélio corneano foi perfundido com BSS durante 60 segundos. As córneas foram posteriormente excisadas com trépano de 8mm e preparadas para análise endotelial utilizando um microscópio óptico (24 córneas) e um microscópio eletrônico de varredura (14 córneas). A análise da superfície posterior do endotélio da córnea equina observada por microscopia óptica e microscopia eletrônica de varredura revelou uma camada contínua de células poligonais de tamanho e forma uniformes tanto no grupo controle quanto no grupo tratamento. Devido aos resíduos não normais na comparação da média de ANOVA, utilizou-se um modelo linear generalizado com nível de significância de 5%. Evidenciou-se com o teste qui-quadrado que não houve diferença estatística entre o grupo controle e o grupo tratamento. O azul brilhante de 0,05% não causou dano ao endotélio corneano de equinos.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1