Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Risk factors related to seropositivity for Leptospira spp. in horses in the Serra Catarinense region

Farias, Deise Keli; Dick, Gabriela; Bunn, Silvério; Thaler Neto, André; Rech, Carolina; Menin, Álvaro; Saito, Mere Erika.
Ci. Rural; 50(7)2020.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-26344

Resumo

ABSTRACT: Leptospirosis is a zoonotic infectious disease caused by the bacterium Leptospira spp. The consequences of infection in horses are unclear, and the serogroups involved vary depending on the region. This study aimed to evaluate the seropositivity of unvaccinated horses in the Serra Catarinense region and the possible risk factors associated with the infection. We used 207 horses from 26 properties, with no clinical history of infection and unvaccinated for leptospirosis. We submitted serum samples to the microscopic agglutination serum (SAM) to obtain the main reference serogroups. We considered animals with titre 100 as infected. The results of the serology revealed seropositivity in 45.4% (94/207) of the animals studied. The most frequent antibodies reportedwere those against the serogroups Australis 16.9% (35/207), Ichterhaemorrhagiae 14.4% (30/207), and Grippotyphosa 5.31% (11/207). Among the primary risk factors associated with the infection we reported extensive rearing system (OR = 1.27; P 0.05) and the presence of other animal species such as cattle (OR = 3.85; P 0.01) and capybaras (OR = 2.07; P=0.06). The findings presented in this study showed that leptospirosis is endemic in horses in the Serra Catarinense region, and revealed the need for emergency surveillance and control measures specific to this important zoonosis.
RESUMO: A leptospirose é uma doença infecciosa zoonótica, causada pela bactéria Leptospira spp. Em equinos, as consequências da infecção não são claras e os sorogrupos envolvidos variam dependendo da região. Sendo assim, este trabalho objetivou avaliar a soropositividade de Leptospira spp. em equinos não vacinados na região serrana Catarinense e estimar os possíveis fatores de risco associados à infecção. Para tal, foram estudados 207 equinos, de 26 propriedades, sem histórico clínico da infecção e não vacinados para leptospirose. As amostras de soro foram submetidas ao ensaio de soro aglutinação microscópica (SAM) para os principais sorogrupos de referência. Animais com título 100 foram considerados reagentes. Os resultados da sorologia revelaram uma soropositividade de 45,4% (94/207) para os animais estudados. Com maior frequência foram observados anticorpos contra os sorogrupos Australis 16,9% (35/207), Icterohaemorrhagiae 14,4% (30/207), e Grippotyphosa 5,31% (11/207). Dentre os principais fatores de risco associados à infecção observados, foram o sistema de criação extensivo (OR=1,27; P 0,05) e a presença de outras espécies animais como bovinos (OR=3,85; P 0,01) e capivaras (OR=2,07; P=0,06). Os achados apresentados neste estudo mostraram que a leptospirose em equinos é endêmica na região da serra Catarinense, e revelam a necessidade de medidas emergenciais de vigilância e controle específicas para esta importante zoonose.
Biblioteca responsável: BR68.1