Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Frequency and factors associated with Theileria equi, Babesia caballi and Trypanosoma evansi in equids from Bahia (Northeast Brazil)

Costa, Sonia Carmen Lopo; Freitas, Jéssica de Souza; Silva, Aísla Nascimento da; Lacerda, Luciana Carvalho; Cruz, Rebeca Dálety Santos; Carvalho, Fábio Santos; Pereira, Maria Julia Salim; Munhoz, Alexandre Dias.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-26360

Resumo

Abstract The aim of this study was to determine the frequency and factors associated to Babesia caballi, Theileria equi and Trypanosoma evansi in naturally infected equids from the northeast Brazil. Blood samples from 569 equids (528 horses, 8 mules, and 33 donkeys) were collected and tested for the presence of DNA of each of these protozoan parasites by PCR. Generalized linear models were used to evaluate risk factors associated with the infection. The frequency of T. equi infection was 83.5% (475/569) - 84.3% in horses, and 73.2% in donkeys and mules. The results of the final model indicated that age (senior group) and animal species (mule and donkey group) were protective factors against this pathogen. The frequency of B. caballi infection was 24.3% (138/569) - 23.5% in horses and 34.1% in donkeys and mules. Age (adult and senior group) was considered a protective factor against B. caballi infection whereas animal species (donkey and mule group) were considered a risk factor for the infection. Trypanosoma evansi infection was not detected in any of animals. Our results suggest that equids from the area studied may be infected earlier in life with the etiological agents of equine piroplasmosis and become asymptomatic carriers.
Resumo Este estudo teve como objetivos conhecer a frequência e os fatores associados à infecção por Babesia caballi, Theileria equi e Trypanosoma evansi em equinos naturalmente infectados do nordeste do Brasil. Amostras de sangue de 569 equídeos (528 equinos, 8 muares e 33 asininos) foram coletadas e testadas para a presença do DNA destes parasitos através da PCR. Modelos lineares generalizados foram utilizados na avaliação dos fatores associados às infecções. A frequência de infecção por T. equi foi de 83,5% (475/569) -84,3% (445/528) em eqüinos e 73,2% (30/41) em asininos e muares. Os resultados do modelo final indicam idade (sênior) e espécie (muar e asinina) como possíveis fatores de proteção para este patógeno. A frequência de infecção por B. caballi foi de 24,3% (138/569) - 23,5% (124/528) em eqüinos e 34,1% (14/41) em asininos e muares. As faixas etárias (adulto e sênior) foram identificadas como possíveis fatores de proteção, e a espécie (asinina e muar) como risco para ocorrência de infecção por B. caballi. Infecções por Trypanosoma evansi não foram detectadas. Estes resultados indicam que os equídeos na região estudada se infectam precocemente com agentes da piroplasmose equina tornando-se portadores assintomáticos.
Biblioteca responsável: BR68.1