Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Clinical and molecular diagnosis of Chlamydophila in captive parrots in Pará state, Brazil / Estudo clínico e diagnóstico molecular de Chlamydophila sp. em psitaciformes mantidos em cativeiro no estado do Pará, Brasil

Araujo, Simone Aparecida Almeida; Pereira, Washington Luiz Assunção; Silva, Sandro Patroca da; Cardoso, Jedson Ferreira; Silva Filho, Ednaldo da; Bernal, Marcella Katheryne Marques; Mendes, Fernanda Figueiredo; Nunes, Márcio Roberto Teixeira.
Semina Ci. agr.; 40(6): 2603-2612, Nov.-Dec. 2019. tab, ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-26871

Resumo

Parrots (Order Psittaciformes) are globally distributed birds that, together with members of the Columbiformes, represent the most susceptible animals, in regards to infection by Chlamydophila psittaci, which is an obligate, zoonotic, intracellular bacterium that causes chlamydiosis in domestic and wild birds and psittacosis in humans. The aim of the present study was to assess the occurrence of C. psittaci in Brazilian psittacids kept in conservation breeding sites in Pará State, Brazil. Cloacal and oropharynx swab samples were collected from 201 psittacids that were distributed among four breeding sites: Metropolitan Area of Belém (C1 and C2), Northeastern Pará (C3), and Low Amazon (C4). The samples were screened for C. psittaci using semi-nested PCR, and the resulting incidence data were analyzed using proportion and chi-square tests. Chlamydophila infection was confirmed for all the breeding sites, with an overall prevalence of 31.84%, and no species-specific predisposition was observed. Furthermore, 13.93% of the sampled birds eliminated the infectious agent by the cloaca, whereas 11.44% eliminated the agent by the oropharynx, and 6.47% eliminated the agent by both routes. Moreover, there was a significant difference between the incidence of Chlamydophila infection of breeding sites C2 and C3 (p=0.029), which yielded the smallest and largest number of diagnosed cases, respectively. In the present study, most of the birds (27.86%) were considered unapparent carriers of Chlamydophila infection, and only 3.98% of the birds yielded both a positive diagnosis and clinical signs of chlamydiosis.(AU)
Psitacídeos são aves distribuídas em todo o mundo e, juntamente com Columbiformes, representam os animais mais suscetíveis a uma infecção causada por Chlamydophila psittaci, uma bactéria intracelular, obrigatória, zoonótica que causa clamídia em aves domésticas e selvagens e psitacose em humanos. O objetivo deste estudo foi avaliar a ocorrência de C. psittaci em diferentes espécies de psitacídeos da fauna brasileira mantidos em criadouros conservacionistas no Estado do Pará, Brasil. Amostras de swabs de cloaca e orofaringe de 201 psitacídeos distribuídos em quatro criadouros nas mesorregiões Metropolitana de Belém (C1 e C2), Nordeste do Pará (C3) e Baixo Amazonas (C4) foram utilizados. As amostras foram submetidas ao teste molecular de semi-nested PCR. As análises estatísticas foram realizadas de acordo com o teste de proposição por R e teste do qui-quadrado (p 0,05). A presença de Chlamydophila sp. foi confirmada em todos os criadouros, com uma prevalência de 31,84% de aves infectadas, com predisposição não específica da espécie encontrada para a infecção entre as aves amostradas. Os resultados da semi-nested PCR mostraram que 13,93% das aves eliminaram o agente infeccioso pela cloaca, 11,44% pela orofaringe e 6,47% por ambas. Além disso, quando aplicado em cada local, este teste mostrou uma diferença estatisticamente significativa entre os criadouros C2 e C3 (p = 0,029), que apresentou o menor e maior número de casos diagnosticados, respectivamente. A maioria dos animais, ou 27,86%, foi considerada como portadora inaparente da infecção e apenas 3,98% das aves com diagnóstico positivo apresentaram algum sinal clínico sugestivo da doença.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1