Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Distribuição do agulhão negro no atlântico sul e equatorial e potencial de estratégia de manejo espacial / Distribution of the blue marlin in the South Atlantic and Equatorial and potential spatial strategy management

Oliveira, Ítala Alves de; Hazin, Humberto Gomes; Hazin, Fábio Hissa Vieira; Travassos, Paulo Eurico Pires; Silva, Guelson Batista da; Mourato, Bruno Leite; Carvalho, Felipe.
B. Inst. Pesca; 41(3): 607-617, Jul-Set. 2015. mapas, graf, ilus
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-28808

Resumo

This study aimed to test simulations of fisheries closures for Makaira nigricans. Generalized Additive Models were used, with fishing data and environmental variables to determine the interference of these factors in the Catch Per Unit Effort (CPUE) of blue marlin. The final model explained 40% of variability in CPUE, with higher records up to 50 m deep and temperatures between 27 C and 29 C. The annual spatial prediction demonstrated the existence of an area with more expressive CPUE in the central portion of the South Atlantic. It was also observed a spatial heterogeneity in the CPUE of blue marlin during the months of the year, with a clear seasonal variation mainly on 1st and 4th quarter. Therefore, two areas were chosen for the fishing zone simulations (A1: 15º-20ºS/25º-30ºW and A2: 20-25S/30º-35ºW). Reducing blue marlin catches not affected in the same proportion the catches of the target species (swordfish).(AU)
O presente trabalho teve como objetivo testar simulações de fechamentos de áreas de pesca para Makaira nigricans. Foram utilizados os Modelos Aditivos Generalizados, com dados de pesca e de variáveis ambientais para determinar a interferência destes fatores na Captura por Unidade de Esforço (CPUE) do agulhão negro. O modelo final explicou 40% da variabilidade da CPUE, com maiores registros até 50 m de profundidade e temperatura entre 27 C e 29 C. A predição espacial anual demonstrou haver uma área com CPUE mais expressiva na porção central do Atlântico Sul. Constatou-se também uma heterogeneidade espacial na CPUE do agulhão negro durante os meses do ano, com uma variação sazonal bem definida, principalmente no 1 e 4º trimestre. Portanto, duas áreas foram escolhidas para as simulações de fechamentos (A1: 15º-20ºS/25º-30ºW e A2: 20-25S/30º-35ºW). A redução das capturas de agulhão negro não afetou, na mesma proporção, as capturas da espécie alvo (espadarte).(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1