Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Histopathological and immunophenotypical characterization of canine multicentric lymphoma in Brazil: a study of 203 cases / Caracterização histopatológica e imunofenotípica do linfoma multicêntrico canino no Brasil: um estudo de 203 casos

Jark, P. C; Fracacio, C. P; Anai, L. A; Silva, M. C. L; Calazans, S. G; Senhorello, I. L. S; Costa, M. T; Sequeira, J. L; Sueiro, F. A. R.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online); 72(3): 787-793, May-June, 2020. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-29830

Resumo

The immunophenotype is regarded as an independent prognostic factor in high-grade lymphomas, seeing that lymphomas of T-cell origin are associated with shorter survival time. Although a number of studies have evaluated the immunophenotypical profile of lymphoma in the USA and Europe, Brazilian research on the matter remains scarce. Exact characterization of the histopathological type is crucial to establish proper treatment and prognosis. This study evaluated the database of immunohistochemistry laboratories that perform immunophenotyping of canine lymphoma in Brazil. A total of 203 cases of multicentric lymphoma were classified according to the WHO classification. Immunophenotyping was able to identify 71.4% lymphomas of B-cell line, 27.1% of T-cell line and 1.5% of non-B cells and non-T cell lines. Diffuse large B-cell lymphoma was the most common with 59.1% of the cases. Among T-cell lymphomas, lymphoblastic was the most common (11.33% of the cases). Even though canine lymphomas tend to be high-grade, indolent lymphomas comprised 11.82% of the cases and T-zone lymphoma was the most prevalent (8.86%). The immunophenotype of multicentric lymphoma in Brazil is similar to those in other parts of the world, which suggests similar etiologic factors to the development of this disease.(AU)
O imunofenótipo é considerado um fator prognóstico independente em linfomas de alto grau, visto que os linfomas de origem de células T estão associados a menor tempo de sobrevida. Apesar de vários estudos terem avaliado o perfil imunofenotípico do linfoma nos EUA e na Europa, a pesquisa brasileira sobre o assunto ainda é escassa. A caracterização exata do tipo histopatológico é crucial para estabelecer o tratamento e o prognóstico adequados. Este estudo avaliou a base de dados de laboratórios de imuno-histoquímica que realizam imunofenotipagem do linfoma canino no Brasil. Um total de 203 casos de linfoma multicêntrico foi classificado de acordo com a classificação da OMS. A imunofenotipagem foi capaz de identificar 71,4% dos linfomas da linhagem de células B, 27,1% da linhagem de células T e 1,5% das linhagens de células não B e não T. O linfoma difuso de grandes células B foi o mais comum em 59,1% dos casos. Entre os linfomas de células T, o linfoblástico foi o mais comum (11, 33% dos casos). Embora os linfomas caninos tendam a ser de alto grau, os linfomas indolentes representaram 11,82% dos casos e o linfoma da zona T foi o mais prevalente (8,86%). O imunofenótipo do linfoma multicêntrico no Brasil é semelhante ao de outras partes do mundo, o que sugere fatores etiológicos semelhantes ao desenvolvimento dessa doença.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1