Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Damming in the Madeira River modifies the food spectrum of piscivorous and affects their resource partitioning

Lonardoni, Alessandra Pasian; Rõpke, Cristhiana Paula; Melo, Taís; Torrente-Vilara, Gislene.
Neotrop. ichthyol; 19(3): e210087, 2021. tab, graf, mapas, ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-32738

Resumo

Phylogenetic proximity suggests some degree of diet similarity among species. Usually, studies of diet show that species coexistence is allowed by partitioning food resources. We evaluate how visually oriented piscivorous fishes (Characiformes) share prey before and after building the Santo Antônio Hydroelectric Power Plant (HPP) in the Madeira River (Brazil), the largest muddy-water tributary of the Amazon River. Piscivorous species (Acestrorhynchus falcirostris, Acestrorhynchus heterolepis, Hydrolycus scomberoides, and Rhaphiodon vulpinus) were sampled under pristine (pre-HPP) and disturbed (post-HPP) environmental conditions. We analyzed species abundance and stomach contents for stomach fullness and prey composition to check variations between congeneric and non-congeneric species. The percent volume of prey taxa was normalized by stomach fullness and grouped into the taxonomic family level to determine diet, niche breadth, and overlap. Only R. vulpinus abundance increased in post-HPP. There was no significant variation in niche breadth between the periods, while niche overlap decreased in congeneric and non-congeneric species. Our results indicate that river impoundment affected piscivorous fishes in distinct ways and modified their resource partitioning. Therefore, evaluate interspecific interactions is a required tool to understand how fishes respond to river damming.(AU)
A proximidade filogenética pode indicar similaridade da dieta entre espécies e a partilha de recursos alimentares é um mecanismo que possibilita a coexistência. Neste trabalho, avaliamos como peixes piscívoros compartilham presas antes e depois da construção da Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio no rio Madeira (Brasil), o maior afluente de águas brancas do rio Amazonas. Espécies piscívoras (Acestrorhynchus falcirostris, Acestrorhynchus heterolepis, Hydrolycus scomberoides e Rhaphiodon vulpinus) foram coletadas em condições ambientais pristinas (pré-HPP) e impactadas (pós-HPP). Nós avaliamos as abundâncias e as dietas para identificar variações entre as espécies congenéricas e não-congenéricas. O percentual de volume de cada presa foi corrigido pelo grau de repleção estomacal e os itens agrupados ao nível taxonômico de família para determinar dieta, amplitude e sobreposição alimentar. Apenas a abundância de R. vulpinus aumentou no pós-HPP. Não houve diferença na amplitude alimentar das espécies após o represamento, contudo a sobreposição de nicho diminuiu para as espécies congenéricas e não congenéricas. Nossos resultados indicam que o represamento do rio afetou os peixes piscívoros modificando sua partilha de recursos. Avaliar as interações interespecíficas, portanto, é uma ferramenta necessária para entender como os peixes respondem ao represamento de rios.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1