Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Biometrics of hoof balance in equids / Biometria do equilíbrio podal de equídeos

Souza, A. F.; Kunz, J. R.; Laus, R; Moreira, M. A.; Muller, T. R.; Fonteque, J. H..
Arq. bras. med. vet. zootec; 68(4): 825-831, jul.-ago. 2016. tab, ilus
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-340787

Resumo

Differences in hoof balance between horses, mules and donkeys were identified in order to form more specific considerations for proper management of the animals. Measurements of the natural dimensions of hooves in sixty animals were used: 20 horses from the Crioulo breed, 20 mules and 20 donkeys from the Pêga breed. Liveweight was estimated using the correlation equations in each species by heart girth. Using a caliper rule, tape measure and hoof gauge, measurements of the length and width of the frog, hoof height, angle of heel, medial and lateral dorsal length, angle of the toe and crown circumference of the hooves of forelimbs and hindlimb were taken. Within each group the hooves of the hindlimbs exhibited narrower measurements than the hooves of the forelimbs and no difference was observed between the hoof angle of both members of groups. The conformation of the hooves of donkeys is shown to be substantially different from that observed in horses, the mules being in an intermediate condition, being smaller, angled and robust frog and proportionally more developed. Similarly, the hooves of donkeys provide greater support area compared to mules and horses, in descending order, even being dimensionally smaller. We conclude that the hooves of horses, mules and donkeys, have specific patterns of geometric balance that must be taken into consideration at the time of trimming and imbalance inferences.(AU)
O objetivo deste trabalho foi determinar o equilíbrio dos cascos de equídeos. Foram utilizados 60 animais, sendo estes: 20 equinos da raça Crioula, 20 muares e 20 asininos da raça Pêga. O peso vivo foi estimado por meio de equações de correlação com o perímetro torácico específico a cada espécie. Utilizando-se paquímetro, fita métrica e podogoniômetro, foram mensurados comprimento e largura da ranilha e do casco, altura e ângulo dos talões medial e lateral, comprimento dorsal e ângulo da pinça e perímetro da banda coronária dos cascos dos membros torácicos e pélvicos. Dentro de cada grupo, observou-se que os cascos dos membros pélvicos exibem-se mais estreitos que os cascos dos membros torácicos, e não houve diferença entre o ângulo das pinças de ambos os grupos de membros. A conformação dos cascos dos asininos mostra-se substancialmente divergente do observado nos equinos, estando os muares numa condição intermediária, sendo aqueles menores, mais angulados e com ranilha robusta e proporcionalmente mais desenvolvida. Da mesma forma, os cascos dos asininos proporcionam maior área de apoio em relação aos muares e equinos, em ordem decrescente, mesmo sendo dimensionalmente menores. Conclui-se que os cascos de equinos, muares e asininos apresentam padrões de equilíbrio geométrico específicos, que devem ser levados em consideração no momento do casqueamento e na inferência de desequilíbrios.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1