Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Variação da toxidez de Arrabidaea bilabiata (Bignoniaceae) em coelhos / Variation of the toxicity of Arrabidaea bilabiata (Bignoniaceae) in rabbits

Jabour, Flávia F; Seixas, Josilene N; Tokarnia, Carlos H; Brito, Marilene F.
Pesqui. vet. bras; 26(3): 171-176, jul.-set. 2006. ilus, tab, graf
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-3468

Resumo

A brotação e as folhas maduras dessecadas e trituradas de Arrabidaea bilabiata, um cipó ou arbusto escandente da família Bignoniaceae, foram administradas em suspensão aquosa por via intragástrica a 15 coelhos adultos nas doses que variaram de 0,25-6,0g/kg. Nos experimentos com a brotação coletada em outubro (fim da época de seca), a menor dose que causou a morte dos coelhos foi de 0,5g/kg e em maio (fim da época de cheia), a menor dose que causou a morte foi de 1,0g/kg. Já com as folhas maduras coletadas em outubro a menor dose que causou a morte dos coelhos foi de 4,0g/kg e em maio, a menor dose que causou a morte foi de 6,0g/kg. A evolução em todos os casos letais foi superaguda. Clinicamente os coelhos de súbito debatiam-se com força na gaiola, caiam em decúbito lateral ou esternal, faziam movimentos de pedalagem, apresentavam acentuada dispnéia e morriam. A necropsia não foram observadas alterações significativas e ao exame histopatológico as lesões mais importantes caracterizaram-se, nos rins, por degeneração hidrópico-vacuolar das células epiteliais dos túbulos contornados distais, no fígado por vacuolização difusa do citoplasma e necrose de hepatócitos, predominantemente centro-lobular e paracentral e presença de esférulas eosinofílicas nos sinusóides hepáticos, no coração, por grupos de fibras cardíacas com eosinofilia aumentada, além de congestão nos rins, fígado, coração e pulmão. Neste estudo ficou estabelecido que a toxidez de A. bilabiata varia de acordo com a época do ano e o estado de maturação, pois essa planta foi mais tóxica em outubro e quando em brotação, confirmando, assim, os dados obtidos previamente em bovinos e búfalos.(AU)
The dried and powdered mature leaves and sprouts of Arrabidaea bilabiata (fam. Bignoniaceae), a liana or scandent shrub, were administered by stomach tube to 15 rabbits at doses of 0.25-6.0g/kg. The lowest dose of the sprouts collected in October (End of the dry season) causing death was 0.5g/kg, whilst the lowest lethal dose of sprouts collected in May (End of the rainy season) was 1.0g/kg. With the mature leaves collected in October the lowest lethal dose was of 4.0g/kg, and the lowest lethal dose of the mature leaves collected in May was 6.0g/kg. The clinical course of the poisoning was peracute. The rabbits all of a sudden fell down with struggling movements, difficult and spaced breathing, and died. At necropsy, significant alterations were not observed and histopatological examination showed, as the more important changes, vacuolar hydropic degeneration of epithelial cells of the distal convoluted renal tubules, diffuse vacuolation of the cytoplasm and necrosis of hepatocytes, presence of eosinophilic sphaerules in the sinusoids, groups of heart muscle fibers with increased eosinophilia, besides congestion in the kidneys, liver, heart and lungs. It was concluded that the toxicity of A. bilabiata varies according to the season of the year and the growth stage of the plant. The plant was most toxic in October and the sprouts were more toxic than the mature leaves, confirming the data previously obtained in experiments with cattle and buffalos.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1