Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Reproduction and feeding ecology of Amphisbaena munoai and Anops kingi (Amphisbaenia, Amphisbaenidae) in the Escudo Sul-Rio-Grandense, southern Brazil

L Balestrin, Rafael; H Cappellari, Lize.
Iheringia. Sér. Zool.; 101(1)2011.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-437790

Resumo

This study presents original data on the reproduction and feeding ecology of two syntopic amphisbaenians, Amphisbaena munoai Klappenbach, 1969 and Anops kingi Bell, 1833, from southern Brazil. Sampling was carried out from April 2004 to April 2006 at a highland area located in São Jerônimo and Barão do Triunfo municipalities, Rio Grande do Sul, Brazil. A total of 647 amphisbaenians were collected, 510 specimens of A. munoai and 137 specimens of A. kingi, of which 130 and 93, respectively, had their gonads and gut content analyzed. Both species presented a unimodal pattern of seasonal distribution, sexually mature females with significantly larger snout vent length (SVL) than sexually mature males, and seasonal reproductive cycle. Adults of A. kingi had significantly larger (SVL) than those of Amphisbaena munoai. Both species had generalist diets, but termites (Isoptera) was a staple item in their diet. Greater predominance of insect larvae was observed in the diet of A. kingi, which may be due to its larger body in comparison to A. munoai. Insect larvae ingested by A. kingi were significantly larger than those ingested by A. munoai. Diets of adult males and females of both species were not significantly different. The ontogenetic diet comparison in both species revealed significant numerical differences, with adults consuming higher numbers of prey.
O presente estudo fornece dados originais sobre a reprodução e ecologia alimentar de duas espécies sintópicas de Amphisbaenia, Amphisbaena munoai Klappenbach, 1969 e Anops kingi Bell, 1833, no sul do Brasil. As coletas foram realizadas entre abril de 2004 a abril de 2006, em uma área elevada, localizada entre os municípios de São Jerônimo e Barão do Triunfo, Rio Grande do Sul, Brasil. No total, 647 anfisbênios, 510 exemplares de A. munoai e 137 de A. kingi, foram encontrados ao longo do período amostral, e destes 130 e 93 respectivamente tiveram suas gônadas e conteúdo alimentar analisados. Ambas as espécies apresentaram padrão unimodal de distribuição sazonal, fêmeas sexualmente maduras com comprimento rostro cloacal (CRC) significativamente maior que o dos machos sexualmente maduros e ciclo reprodutivo sazonal. Adultos de A. kingi apresentaram (CRC) significativamente maior do que em adultos de Amphibaena munoai. As duas espécies apresentaram diversas categorias alimentares na composição de suas dietas, entretanto térmites (Isoptera) parecem compor um elemento base. Uma maior predominância de larvas de insetos foi observada na dieta de A. kingi em relação a A. munoai, o que pode estar relacionado ao maior tamanho do corpo da primeira espécie. Larvas de insetos ingeridas por A. kingi foram significativamente maiores do que aquelas ingeridas por A. munoai. Em ambas as espécies não foram encontradas diferenças significativas nas dietas de machos e fêmeas adultos, mas em uma comparação ontogenética, foram observadas diferenças significativas numéricas, sendo que adultos ingeriram um número maior de presas que juvenis.
Biblioteca responsável: BR68.1