Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Sistema respiratório de Amphisbaena vermicularis e Amphisbaena microcephala (Squamata, Amphisbaenia, Amphisbaenidae)

Eliana C. Navega-Gonçalves, Maria; Roberto M. C. da Silva, José.
Iheringia. Sér. Zool.; 103(1)2013.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-437875

Resumo

The macroscopic and microscopic morphology of the trachea and lungs of Amphisbaena vermicularis Wagler, 1824 and Amphisbaena microcephala (Wagler, 1824), as well as the ultrastructure of the pulmonary respiratory chambers of the latter, are described for the first time. The trachea does not ramify, and its caudal segment, between the lungs, was named bronchus. The left lung is long, sac-like and unicameral, with a faveolar parenchyma in the cranial portion and a trabecular parenchyma in the caudal portion. Respiratory chambers are present in both regions of the lungs and it is suggested that the caudal portion acts as a reservoir of air. The right lung is reduced in both species, however in A. vermicularis this reduction is fairly pronounced and only a vestige of this organ can be observed, but in A. microcephala the right lung is a delimited organ that links to the caudal portion of the tracheal tube through two holes. Pneumocytes I and II occur in the respiratory chambers. The basal membranes of the pneumocytes I and of the endothelial cells are fused, diminishing the air-to-blood barrier which measures approximately 0.5 µm in A. microcephala. Morphological features described in this paper may represent some adaptations that permit the survival of the specimens of Amphisbaenia in the subterranean galleries where they spend most of their lives, under conditions of low air renewal, relatively variable levels of humidity and suspended particles.
A morfologia macro e microscópica da traqueia e pulmões de Amphisbaena vermicularis Wagler, 1824 e Amphisbaena microcephala (Wagler, 1824), assim como a ultraestrutura das câmaras respiratórias, foram descritas pela primeira vez neste estudo. A traqueia não se ramifica e seu segmento caudal, situado entre os pulmões, foi denominado brônquio. O pulmão esquerdo é alongado, saculiforme e unicameral, com parênquima faveolar na porção cranial e trabecular, na porção caudal. Câmaras respiratórias estão presentes em ambas as regiões do pulmão, mas é possível que a região caudal funcione também como reservatório de ar. O pulmão direito está reduzido nas duas espécies, no entanto em A. vermicularis a redução é bastante acentuada e apenas um vestígio deste órgão pode ser observado, mas em A. microcephala o pulmão direito é um órgão com limites definidos que se comunica com a porção caudal do tubo traqueal, através de dois orifícios. Pneumócitos tipo I e tipo II estão presentes nas câmaras respiratórias. As lâminas basais dos pneumócitos I e das células endoteliais encontram-se fundidas, de forma a diminuir a barreira ar-sangue, que é de aproximadamente 0,5 µm em A. microcephala. As características morfológicas descritas neste estudo podem representar adaptações que permitem a sobrevivência dos espécimes de Amphisbaenia nas galerias subterrâneas, onde passam a maior parte de suas vidas sob condições de baixa renovação de ar, níveis de umidade relativamente variáveis e partículas em suspensão.
Biblioteca responsável: BR68.1