Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

RESÍDUOS DE FENITROTION EM FRUTOS E FOLHAS DE TOMATEIRO (Lycopersicon esculentum Mill) ESTAQUEADO

PIZANO, M.A.; DE BAPTISTA, G.C..
Sci. agric.; 55(2)1998.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-439103

Resumo

The behavior of fenitrothion in fruits and leaves of staked tomato plants was studied with gas chromatography. The field experiment begun when plants had 90 days post-transplant and consisted of four treatments: (1) a single application of fenitrothion at 100 g a.i./100 liters of water; (2) a double dose application of 200 g a.i./100 liters of water; (3) four applications at 7 day intervals at the lower dosage; and (4) control. Fruit and leaf samples were collected one day before application (-1) and at zero, 1, 2, 3, 5, 7 and 14 days post-application. Residual analysis of fruit and leave consisted of acetone extraction and partition with chloroform; extract cleaning in a florisil column and benzene elution (for leaves). Quantitative estimates were obtained in a gas chromatograph, using flame photometric detector, with a special phosphorus filter. Leaf residues were always higher than those in fruits (approximately 80 times), during all sampling intervals. Half-live degradation values of fenitrothion in fruits and leaves were: 1.6 to 1.9 and 0.7 to 0.8 days, respectively. Half-lives of persistence were similiar for both substrates: 4.2 to 7.3 and 5.6 to 6.2 days, respectively. Fruit residues immediately after application were below the official tolerance level (0.5 ppm) for treatments of 100 g a.i./100 liters in one or four weekly applications. A single application of 200 g a.i./100 liters resulted in residual levels lower than 0.5 ppm after one or more days post-application.
Estudou-se o comportamento dos resíduos de fenitrotion em frutos e folhas de tomateiro estaqueado, através de cromatografia gasosa. O experimento de campo foi instalado quando as plantas tinham 90 dias após o transplante das mudas, e constou de quatro tratamentos: (1) uma aplicação de fenitrotion em dosagem simples, de 100 g i.a./100 litros de água, (2) uma aplicação em dosagem dobrada, de 200 g i.a./100 litros de água, (3) quatro aplicações espaçadas de sete dias, na dosagem simples e (4) testemunha. As amostras de fruto e folha foram colhidas um dia antes da aplicação (-1) e aos zero , 1, 2, 3, 5, 7 e 14 dias após. Basicamente, a metododogia para análises dos resíduos dos frutos e das folhas constou da extração com acetona e partição em clorofórmio; limpeza dos extratos em coluna de florisil (no caso de folhas) e eluição procedida com benzeno. As determinações quantitativas foram feitas por cromatografia gasosa, usando-se detector fotométrico de chama com filtro específico para fósforo. Os resíduos nas folhas foram sempre maiores do que os dos frutos (cerca de 80 vezes, em média) durante todo o período de colheita das amostras. Os valores de meia-vida de degradação de fenitrotion em frutos e folhas foram: 1,6 a 1,9 e 0,7 a 0,8 dia, respectivamente, mostrando uma diminuição mais rápida dos resíduos em folhas. As meias-vidas de persistência foram semelhantes para os dois substratos: 4,2 a 7,3 e 5,6 a 6,2 dias, respectivamente. Os resíduos encontrados nos frutos logo após a aplicação, foram menores que a tolerância oficial (0,5 ppm) para os tratamentos que utilizaram 100 g i.a./100 litros em uma ou quatro pulverizações espaçadas de sete dias. Uma única aplicação de 200 g i.a./100 litros resultou em resíduos menores que 0,5 ppm, desde um dia após a aplicação.
Biblioteca responsável: BR68.1