Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Boro em solos de várzea do sul de Minas Gerais e a cultura do feijoeiro

Dol'ava Mariano, Eduardo; Faquin, Valdemar; Eduardo Furtini Neto, Antonio; Orlando dos Santos Mariano, Isabela; Claret de Oliveira Jr., Antonio.
Sci. agric.; 56(4)1999.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-439312

Resumo

Aiming to evaluate the bean (Phaseolus vulgaris L.) plant response to boron application in lowland soils, an experiment was conducted in greenhouse conditions, involving four soils (0-20 cm), Low Humic Glei (LHG), Aluvial (A), Humic Gley (HG) and Bog soil (O), the last being artificially drained, all collected in Lavras, MG, Brazil. The experimental design was totally randomized, with four replications, in a 4x7 factorial scheme, consisting of the 4 soils and of 7 B doses (0; 0.25; 0.5; 1.5; 3.0; 6.0 and 10.0 mg dm-3). The soils received dolomitic lime, macro and micronutrients, and the respective doses of B, and were incubated for 24 days. Before seeding, the soils were sampled and analysed for B (hot water). Two plants were cultivated in 3 dm³ pots; at grain maturation the plants were harvested and the dry matter of grains, the number of pods per plant, and the number of grains per pod were evaluated. The results showed significant responses of the bean plant to the applied boron. The B doses, promoting 90% of the maximum yield, varied from 1.04 to 1.25; for maximum yield, varied from 2.50 to 2.85; and for 10% reduction of the yield due to toxicity, varied from 4.54 to 5.33 mg dm-3. The ranking of the productive potential of the soils for 90% of the maximum yield was the following: Humic Gley > Aluvial = Bog > Low Humic Gley.
Com o objetivo de avaliar a resposta do feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) à aplicação de B em solos de várzea, conduziu-se um experimento em casa de vegetação com quatro solos (0-20cm), Glei Pouco Húmico (GP), Aluvial (A), Glei Húmico (GH) e Orgânico (O), este último artificialmente drenado, coletados no município de Lavras (MG). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repetições, arranjado num esquema fatorial 4x7, consistindo dos 4 solos e de 7 doses de B (0,0; 0,25; 0,5; 1,5; 3,0; 6,0 e 10,0 mg dm-3 de solo). Os solos receberam calcário dolomítico, macro e micronutrientes e as respectivas doses de B, e foram incubados por 24 dias. Antes da semeadura, os solos foram amostrados e analisados para B (água quente). Foram cultivadas duas plantas por vaso de três dm³, colhidas na maturação de grãos, avaliando-se a matéria seca de grãos, o número de vagens por planta e o número de grãos por vagem. Os resultados mostraram respostas significativas do feijoeiro à aplicação de B nos solos estudados. As doses de B para atingir 90% da produção máxima variaram de 1,04 a 1,25 mg dm-3. Para a produção máxima, as doses variaram de 2,50 a 2,83 mg dm-3, enquanto que para causar redução de 10% na produção, devido a toxidez, a variação na dose de boro foi de 4,54 a 5,33 mg dm-3. O potencial produtivo dos solos para 90% da produção máxima, em ordem decrescente, foi a seguinte: Glei Húmico > Aluvial = Orgânico > Glei Pouco Húmico.
Biblioteca responsável: BR68.1