Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Phosphite effect on hot and sweet pepper reaction to Phytophthora capsici

Cesar Sala, Fernando; Paulino da Costa, Cyro; de Moraes Echer, Márcia; Cagnin Martins, Marise; Ferreira Blat, Sally.
Sci. agric.; 61(5)2004.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-439910

Resumo

Phosphite has been recommended to enhance plant resistance against Phytophthora. This work evaluated the response of hot and sweet pepper (Capsicum annuum L.) to Phytophthora capsici from juvenile up to the adult stage following treatment with phosphite. Sweet pepper hybrids considered to be resistant to P. capsici, like Reinger, Nathalie and Athenas, were evaluated. The susceptible checks were hybrid Magali R and cvs. Myr 10 and Ikeda. Hot pepper Criollo de Morelos 328, CM 334, BGH 3756, BGH 5122, CNPH 294 and Locorte were used as referential resistant lines. Phosphite did not have an effect on the hot pepper resistant lines because of their genetic homozygozity, while no protection was observed for the Athenas hybrid claimed to be resistant. Heterozygous hybrids recognized as resistant, like Reinger and Nathalie, showed higher survival following phosphite treatment, and their reaction was equivalent to the resistant cvs. CM 328 and CM 334, except for the fruiting stage. Depending of the hybrid heterozygous genotype, phosphite possibly acts through indirect phytoalexin induction through the inhibited pathogen.
Fosfito tem sido recomendado para aumentar o sistema de resistência de plantas atacadas por fitopatógenos. Este trabalho avaliou a ação do fosfito nas reações de pimentão e pimenteiras (Capsicum annuum L.) a Phytophthora capsici na fase juvenil até a fase adulta, tratadas com fosfito. Os híbridos de pimentão considerados resistentes a P. capsici foram Reinger, Nathalie e Athenas, enquanto que o híbrido Magali R e as cvs. Myr 10 e Ikeda constituíram as referenciais suscetíveis. As linhagens de pimenta Criollo de Morelos 328, CM 334, BGH 3756, BGH 5122, CNPH 294 e Locorte, foram usadas como padrão referencial de resistência ao patógeno. O fosfito não afetou a reação das linhagens resistentes devido sua homozigosidade genética. Não houve ação protetora do fosfito nos hospedeiros suscetíveis, inclusive no híbrido Athenas. Os híbridos heterozigotos considerados resistentes, como Nathalie e Reinger, tiveram uma sobrevivência equivalente ao CM 328 e 334, mas sua reação de resistência não persistiu na fase de pós-transplante. Possivelmente, o fosfito age através da indução da produção de fitolexinas no hospedeiro indiretamente por meio do patógeno inibido.
Biblioteca responsável: BR68.1