Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Only the B biotype of Bemisia tabaci is present on vegetables in São Paulo State, Brazil

Cristina Gonçales Rocha, Kelly; Massaharu Marubayashi, Julio; Navas-Castillo, Jesús; Atsushi Yuki, Valdir; Frederico Wilcken, Carlos; Agenor Pavan, Marcelo; Krause-Sakate, Renate.
Sci. agric.; 68(1)2011.
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-440557

Resumo

Bemisia tabaci (Genn.) is one of the most important pests in cultivated areas of vegetables and ornamental crops around the world. Based on the mitochondrial cytochrome oxidize I (mtCOI) sequence, there is evidence that B. tabaci should be considered a cryptic species complex of 11 groups containing 24 species. Two of the groups, Middle East-Asia Minor 1 and Mediterranean include biotypes B and Q, respectively. In this study we evaluated the mtCOI sequence of B. tabaci populations collected in sites of the state of São Paulo, Brazil. Using PCR-RFLP with Taq I, a typical biotype B profile was obtained for all specimens. Based on the comparison with mtCOI reference sequences we found four haplotypes all belonging to the Middle East-Asia Minor 1. They occurred in the hosts pepper (Capsicum annuum L.), tomato (Solanum lycopersicum L.), eggplant (Solanum melongena L.) and cucurbitaceae plants.
Bemisia tabaci (Genn.) é considerada uma das mais importantes pragas em cultivos de hortaliças e ornamentais em todo o mundo. Baseado na análise da seqüência mitocondrial (citocromo oxidase I - mtCOI) foi proposto recentemente que B. tabaci deva ser considerado um complexo críptico de espécies, contendo 11 grupos e 24 espécies. Dois destes grupos: Middle East-Asia Minor e Mediterranean englobam os biótipos B e Q, respectivamente. Avaliou-se a sequência mtCOI de espécimes de B. tabaci coletados em regiões do estado de São Paulo, Brasil. Por PCR-RFLP utilizando-se a enzima Taq I, pôde-se observar somente o padrão típico de clivagem para o biótipo B. Comparando-se com sequências consenso, todas as moscas brancas foram classificadas no grupo Middle East-Asia Minor e puderam ser separadas em quatro haplótipos, indicando prevalência do biótipo B em áreas de pimentão (Capsicum annuum L.), tomate (Solanum lycopersicum L.), cucurbitáceas e berinjela (Solanum melongena L.) do Estado de São Paulo.
Biblioteca responsável: BR68.1