Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Two new species of Apistogramma Regan (Teleostei: Cichlidae) from the rio Trombetas, Pará State, Brazil

O Kullander, Sven; J. G. Ferreira, Efrem.
Neotrop. ichthyol; 3(3)2005.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-442786

Resumo

Apistogramma angayuara is described from the rio Trombetas close to the cachoeira Vira Mundo where it is found in association with rapids. It is assigned to the A. pertensis species group, distinguished by the following characters in combination: three prominent stripes composed of dark spots along the sides of the abdomen, 2 vs. 3 postlachrymal infraorbital pores, 5 vs. 4 dentary pores, low dorsal fin in adult males, and presence of a caudal spot. It is the smallest species of Apistogramma reported so far, with the largest male 24.7 mm SL and the largest female 22.7 mm SL, and the first cichlid species found with a significant proportion of rhizopods in the stomach content. Apistogramma salpinction is described from lentic habitats at the margin of road BR-163, circa 70 km from Cachoeira Porteira village, in a swamp most probably connected to the igarapé Caxipacoré. It is compared to members of the Apistogramma cacatuoides group with which it shares prolonged anterior dorsal fin lappets and marginal caudal fin streamers in adult males. It is distinguished from all other species of Apistogramma by the color pattern which includes a lateral band and abdominal stripes that become darker and have much lighter interspaces on the caudal peduncle, and a caudal spot that is divided into elongated blotches continuing the lateral band and upper two abdominal stripes, respectively.
Apistogramma angayuara é descrita para o rio Trombetas próximo à cachoeira Vira Mundo, onde é encontrada associada com corredeiras. É a menor espécie de Apistogramma até agora registrada, com o maior macho atingindo 24,7 mm CP, e a maior fêmea 22,7 mm CP. Trata-se do primeiro registro de uma espécie de ciclideo com grande quantidade de rizopodos em seu conteúdo estomacal. Apistogramma angayuara pertence ao grupo A. pertensis e difere das demais espécies deste grupo pela seguinte combinação de caracteres: três conspícuas séries de pontos escuros ao longo da região abdominal, 2 vs. 3 poros infra-orbitais pós-lacrimais, e 5 vs. 4 poros dentários, nadadeira dorsal baixa em machos adultos, e presença de uma mancha caudal grande. Apistogramma salpinction é descrita de habitats lênticos localizados na margem da BR-163, cerca de 70 km da vila de Cachoeira Porteira, em um alagadiço que provavelmente está conectado ao igarapé Caxipacoré, e é semelhante a membros do grupo Apistogramma cacatuoides com o qual compartilha as membranas anteriores da nadadeira dorsal prolongadas e faixas marginais na nadadeira caudal em machos adultos. Entretanto, difere pelo padrão de colorido que inclui uma faixa lateral e listras abdominais mais escuras e com interespaços mais claros no pedúnculo caudal, que se prolongam sobre a base da nadadeira caudal em uma pinta caudal dividida em manchas alongadas continuando a faixa lateral e duas listras abdominais, respectivamente.
Biblioteca responsável: BR68.1