Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Anatomy and ontogeny of Pterodon emarginatus (Fabaceae: Faboideae) seed

M. T. Oliveira, D.; A. S. Paiva, E..
Braz. J. Biol.; 65(3)2005.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-446031

Resumo

The aim of this study was to describe the anatomy and ontogeny of Pterodon emarginatus seed using the usual techniques. The ovules are campilotropous, crassinucelate, and bitegmic. The following processes occur during integument development: anticlinal divisions and phenolic compound accumulations in the exotesta, whose cells become palisade; predominantly periclinal divisions and cell expansion in the mesotesta, where the rapheal bundle differentiates; differentiation of the hourglass-cell layer adjacent to the palisade; fusion of outer and inner integuments, which remain individualized structures only at the micropylar end; and intense pectin impregnation in the mesotesta thicker walls with lignification restricted to the xylem. At the hilar pole, the Faboideae seed characteristic structure develops, with double palisade layer, subhilar parenchyma, and tracheid bar. The younger nucellus shows thicker pectic cell walls and is consumed during seed formation. The endosperm is nuclear and, after cellularization, shows peripheral cells with dense lipid content; the seeds are albuminous. The axial embryo shows fleshy cotyledons, which accumulate lipid and protein reserves; starch is rare. Although the seed structure is characteristic of the Fabaceae, the inner integument coalesces into the outer integument without being reabsorbed.
O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de descrever a estrutura da semente de Pterodon emarginatus, nas várias fases do desenvolvimento, utilizando técnicas usuais. Verificou-se que os óvulos são campilótropos, crassinucelados e bitegumentados. Durante o desenvolvimento tegumentar ocorrem os seguintes processos: divisões anticlinais e acúmulo de compostos fenólicos na exotesta, cujas células tornam-se paliçádicas; divisões predominantemente periclinais e alongamento na mesotesta, onde se diferencia o feixe rafeal; diferenciação, adjacente à paliçada, da camada de células em ampulheta; coalescimento do tégmen junto à testa, culminando no concrescimento dos dois tegumentos, que se mantêm individualizados apenas na região micropilar; intensa impregnação de compostos pécticos nas paredes espessadas da mesotesta, com lignificação restrita ao xilema. Na região hilar, desenvolve-se a estrutura característica das sementes de Faboideae, com dupla camada paliçádica, parênquima subhilar e barra de traqueídes. O nucelo é consumido durante a formação da semente, observando-se, na estrutura jovem, células de paredes pécticas espessadas. O endosperma é nuclear e, após a celularização, exibe perifericamente células de conteúdo denso; é encontrado na semente madura, embora se apresente reduzido, acumulando substâncias lipídicas. O embrião é axial, com cotilédones crassos, que acumulam reservas de natureza lipídica e protéica, sendo raros os grãos de amido. Embora a estrutura observada seja típica das Fabaceae, não há reabsorção do tegumento interno, mas concrescimento ao externo.
Biblioteca responsável: BR68.1