Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Abundance and frugivory of the toco toucan (Ramphastos toco) in a gallery forest in Brazil's Southern Pantanal

Ragusa-Netto, J..
Braz. J. Biol.; 66(1)2006.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-446079

Resumo

Unlike other toucan species, the Toco toucan (Ramphastos toco) - the largest Ramphastidae - usually inhabits dry semi-open areas. This conspicuous canopy frugivore uses a large home range that includes a variety of vegetation types, among which gallery forests are widely cited as important to this species. However, the factors relating to the occurrence of Toco toucans in such habitats are unclear. I studied the abundance of Toco toucans as well as the availability of fleshy fruit in a gallery forest in the southern Pantanal (sub-region of Miranda, Brazil), in order to assess the relationship between these parameters. Also, I examined toucan foraging activity to analyze its relationship with both toucan abundance and fruit availability. The presence of the Toco toucan was more common in the gallery forest from the middle to the end of the dry season and during the middle of the wet season. Toucans foraged for fleshy fruits, mainly Genipa americana, Ficus luschnatiana, and Cecropia pachystachya fruits, feeding mostly on G. americana (by far the favorite food resource) and F. luschnatiana fruits during the dry season, while C. pachystachya fruits were important in the wet season. Toco toucans foraged particularly heavily (> 80% of foraging activity) on G. americana fruits during the latter part of the dry season, when fleshy fruit availability declined sharply. Toco toucan abundance in the gallery forest was associated with the availability of the most commonly consumed fleshy fruits, and also with its foraging activity. This finding suggests that the Toco toucan moved to the gallery forest periodically in response to the availability of abundant food resources, especially the G. americana fruits widely available and exploited during the severely dry season. Therefore, these fruits potentially contribute to Toco toucan persistence in the South Pantanal during the harshest period of the year.
Dentre as espécies de tucanos, a maior delas, tucano toco (Ramphastos toco), é singular, uma vez que é muito comum em ambientes semi-abertos e/ou com manchas de florestas. As matas ciliares são citadas como ambientes em que essa espécie é comum. No entanto, os fatores relacionados com a ocorrência de R. toco, nesse tipo de vegetação, são desconhecidos. Estudei a abundância do tucano toco na mata ciliar do rio Miranda (Pantanal Sul), bem como a oferta de frutos carnosos, com o propósito de avaliar as relações entre esses parâmetros. Também examinei a exploração de frutos para avaliar as relações com a sua disponibilidade, bem como com a ocorrência do tucano toco na mata ciliar. Esse tucano foi mais comum de meados para o final da estação seca e em meados da estação chuvosa. Os frutos de três espécies arbóreas, Genipa americana (de longe o mais utilizado), Ficus luschnatiana e Cecropia pachystachya, foram amplamente consumidos. Os frutos das duas primeiras espécies destacaram-se durante a estação seca, enquanto os frutos da terceira foram importantes na estação chuvosa. O uso dos frutos de G. americana foi particularmente intenso, sendo que, ao final da estação seca, mais de 80% dos registros de alimentação incluíram essa espécie, quando a oferta de frutos carnosos declinou substancialmente. A ocorrência do tucano toco na mata ciliar foi significativamente relacionada com a oferta dos frutos mais utilizados e, também, com a atividade de exploração desses recursos. Esses resultados sugerem que, periodicamente, o R. toco movimentava-se para a mata ciliar em resposta à oferta de recursos alimentares abundantes, sobretudo os frutos de G. americana, amplamente disponíveis durante a rigorosa estação seca. Portanto, esse recurso potencialmente contribui para a persistência do R. toco no Pantanal Sul durante o período mais severo do ano.
Biblioteca responsável: BR68.1