Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Structural variations among monocot emergent and amphibious species from lakes of the semi-arid region of Bahia, Brazil

Leite, KRB; França, F; Scatena, VL.
Braz. J. Biol.; 72(1)2012.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-446826

Resumo

Temporary lakes are common in the semi-arid region of the State of Bahia and form water mirrors in the rainy season. In this period, various vegetal species appear having different life forms adapted to the seasonality conditions of the rainfall regime. This work surveyed the adaptive anatomical structures of some emergent and amphibious monocot species occurring in these lakes. We studied the anatomy of roots, rhizomes, leaves and scapes of Cyperus odoratus, Oxycaryum cubense, Pycreus macrostachyos (Cyperaceae) - amphibious species; and of Echinodorus grandiflorus (Alismataceae), Eichhornia paniculata (Pontederiaceae) and Habenaria repens (Orchidaceae) - emergent species. The anatomical features of the dermal, fundamental and vascular systems confirming the tendency of the adaptive convergence of these plants to temporary lacustrine the environment include: single layered epidermal cells with a thin cuticle layer in the aerial organs; the presence of air canals in all the organs; few or no supporting tissues; and less numerous conducting elements and thinner cell walls in the xylem. The reduction of the supporting tissues, the number of stomata, which can even be absent, and the number of conducting elements and the degree of cell wall lignification in the xylem of the emergent species is more accentuated than that of the amphibious species. The pattern of distribution of aerenchyma in the roots of the studied species was considered important to distinguish between amphibious and emergent life forms.
As lagoas temporárias são comuns no semiárido baiano, apresentando espelhos de água no período chuvoso. Nesse período, surgem várias espécies vegetais com diferentes formas de vida, adaptadas às condições de sazonalidade do regime pluviométrico. Este trabalho objetivou levantar estruturas anatômicas adaptativas de algumas espécies de monocotiledôneas anfíbias e emergentes que ocorrem nessas lagoas. Para tanto, estudou-se anatomia de raiz, rizoma, folha e escapo de Cyperus odoratus, Oxycaryum cubense e Pycreus macrostachyos (Cyperaceae) - anfíbias, e de Echinodorus grandiflorus (Alismataceae), Eichhornia paniculata (Pontederiaceae) e Habenaria repens (Orchidaceae) - emergentes. Características anatômicas dos sistemas dérmico, fundamental e vascular - presença de uma camada de células epidérmicas, com cutícula fina nos órgãos aéreos; presença de lacunas de ar em todos os órgãos; baixa quantidade ou ausência de tecidos de sustentação; redução de elementos xilemáticos e do espessamento das paredes de suas células - confirmam uma tendência à convergência adaptativa dessas plantas ao ambiente lacustre temporário. As espécies emergentes, quando comparadas com as espécies anfíbias, apresentam essas características mais acentuadas, como redução no sistema de sustentação; redução na frequência e até ausência de estômatos, e redução do número de elementos condutores do xilema e do grau de lignificação das paredes de suas células. O padrão de distribuição de aerênquima nas raízes das espécies estudadas foi considerado importante para distinguir a forma de vida anfíbia da forma emergente.
Biblioteca responsável: BR68.1