Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

External skeletal fixation in dogs: clinical and microbiological evaluation

Carneiro, L.P.; Rezende, C.M.F.; Silva, C.A.; Laranjeira, M.G.; Carvalho, M.A.R.; Farias, L.M..
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-447729

Resumo

Eleven dogs, of both sexes, average weight of 12kg, with ages ranging from two to five years were used with the objective of evaluating two treatments of skin wounds produced after percutaneous bone transfixation of the tibia. In six animals, cotton swabs embedded in 0.2% iodine-alcohol were used to clean the areas of pin perforations. In five dogs, a 0.9% sodium chloride solution, under approximate 30 psi pulse pressure, was used. In both cases, and treatments were carried out every three to four days, during four weeks. Clinical specimens were collected under anaerobic conditions, immediately before the treatments, and on days 3, 7, 14 and 28 after surgery. Samples were cultured in specific media in order to allow isolation of aerobic and anaerobic bacteria and yeast. Dogs treated with sodium chloride solution showed little purulent exudation, while dogs treated with iodine-alcohol presented dry skin wounds with minimum blood-serous to serous exudation. The microbiological evaluation revealed predominance of Staphylococcus spp, but no differences were observed between the two treatments. The results allowed to conclude that both methods are efficient for post-surgical treatments of bone percutaneous transfixation in dogs.
Foram utilizados 11 cães de ambos os sexos, sem raça definida, clinicamente sadios, com média de peso de 12kg e idade entre dois e cinco anos, para avaliação de dois métodos de tratamento da ferida cutânea produzida pela transfixação óssea percutânea da tíbia íntegra. Em seis animais empregou-se haste de polipropileno com ponta de algodão embebida em álcool iodado a 0,2% para limpeza dos orifícios de penetração dos pinos. Em cinco cães usou-se soro fisiológico sob pressão pulsátil (± 30 psi). Em ambos os casos, os tratamentos eram repetidos a cada três a quatro dias, por um período de quatro semanas. Espécimes clínicos foram colhidos em anaerobiose após 3, 7, 14 e 28 dias da cirurgia, imediatamente antes dos tratamentos, semeados em meios de cultura específicos para isolamento de bactérias anaeróbias, aeróbias e leveduras. Os cães do grupo tratado com soro fisiológico apresentaram diminuta exsudação purulenta, enquanto que nos tratados com álcool iodado a ferida apresentou-se seca ou com diminuta exsudação de serosanguinolenta a serosa. A avaliação microbiológica revelou predomínio de Staphylococcus spp. Não houve diferença entre os tratamentosn quanto à avaliação microbiológica. Os resultados permitiram concluir que ambos os métodos foram eficientes no pós-operatório da transfixação percutânea.
Biblioteca responsável: BR68.1