Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Apoptose no tumor venéreo transmissível canino: características morfológicas e evidenciação bioquímica

Santos, F.G.A.; Vasconcelos, A.C.; Moro, L.; Nunes, J.E.S.; Paixão, T.A..
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-447750

Resumo

Fragments of canine transmissible venereal tumors, from natural cases and genital localization, were obtained from five adult male mongrel dogs. Imprints of the tumors were fixed, stained by Giemsa and submitted to cytological analysis to confirm the diagnosis. Representative samples of the tumoral tissue were fixed, embedded in paraffin and processed routinely for microscopic examination. Sections were stained with hematoxylin - eosin and Shorr. Another set of fragments was packed and maintained in dry ice, until DNA could be extracted for agarose gel electrophoresis. Cytological and histological results confirmed the diagnosis of the neoplasia and showed characteristic cellular and tissular patterns, with well-defined clear vacuoles in the cytoplasm. Shorr stained sections showed several shrunken cells, with cytoplasmic acidophilia, chromatin condensation, besides nuclear and cellular fragmentation, typical of apoptosis. Shorr was better than hematoxylin - eosin to distinguish apoptotic cells. Agarose gel electrophoresis of DNA showed the internucleosomal fragmentation of the genome, which was recognized as the classic "ladder pattern". Apoptosis does occur in the natural evolution of canine transmissible venereal tumor.
Fragmentos de tumor venéreo transmissível canino (TVTC) de ocorrência natural, com localização genital, foram obtidos de cinco animais, machos, adultos, sem raça definida. "Imprints" da superfície de corte em lâmina de microscopia foram fixadas em metanol, coradas pelo Giemsa e submetidas à avaliação citológica. Os fragmentos foram fixados e processados rotineiramente para inclusão em parafina e coloração com HE e Shorr, para confirmação histológica do tumor e identificação da apoptose. Outros fragmentos foram envolvidos com papel alumínio e acondicionados dentro de frascos de vidro em gelo seco, para serem processados no mesmo dia, visando à extração de DNA e eletroforese em gel de agarose. Análises cito e histológica do TVTC mostraram a distribuição e o padrão celular e tecidual característicos dessa neoplasia, sobressaindo-se a presença de vacúolos claros, bem definidos no citoplasma à análise citológica. Pela coloração com Shorr pôde-se identificar células retraídas, com aumento da acidofilia citoplasmática e condensação da cromatina nuclear, às vezes com fragmentação do núcleo e das células, caracterizando apoptose. A coloração pelo Shorr mostrou ser mais eficiente na distinção de células apoptóticas do que a coloração por HE. A eletroforese de DNA em gel de agarose demonstrou a fragmentação internucleossômica do genoma, que pôde ser reconhecida pelo clássico "padrão em escada".
Biblioteca responsável: BR68.1