Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Comparação entre hidroxiapatita porosa de coral e enxerto ósseo autógeno em coelhos

Silveira de Figueiredo, Arthur; José Fagundes, Djalma; Ferreira Novo, Neil; Juliano, Yara; Massaschi Inouye, Celso.
Acta cir. bras.; 16(3)2001.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-448265

Resumo

The transplantation of autogenous bone continues being used with success, in spite of the disadvantages that it presents, mainly in what refers the increased morbidity, additional operations and increase of the cost. The objective of this research was to verify the integration of the porous hydroxyapatite of chorale as biological alternative in ceramic form to substitute the autogenous bony graft. Forty-two New Zealand rabbits were submitted to na standard condylar defect witch were randomic implanted by autogenous bony graft as porous hydroxyapatite of chorale. We made clinical, macroscopic, radiographic and histologic study among the time of evolution of two, four and twelve weeks, respectively. The results were similar between the autogenous graft and the porous hydroxyapatite of chorale in the evolution of twelve weeks. It was ended that the porous hydroxyapatite of chorale is a substitute adapted to the autogenous bony graft in rabbits.
A transplantação de osso autógeno continua sendo usada com sucesso, apesar das limitações que apresenta, principalmente no que se refere à morbidade aumentada, operações adicionais e aumento do custo. O objetivo desta pesquisa foi verificar a integração da hidroxiapatita porosa de coral como alternativa biológica, em forma de cerâmica, para substituir o enxerto ósseo autógeno. Foram utilizados 42 coelhos albinos (Nova Zelândia), submetidos a defeito padrão em 84 côndilos femorais, e implantação aleatória, em cada lado, de enxerto ósseo autógeno ou hidroxiapatita porosa. Foram avaliados os aspectos da evolução clínica diária dos animais. Após duas, quatro e doze semanas, grupos de 14 animais foram sacrificados e feita a avaliação radiológica e macroscópica da integração dos enxertos. Peças das regiões operadas foram colhidas para estudo histológico dessa integração. Os resultados macroscópicos mostraram que a integridade óssea, coloração, cicatrização da cortical e mobilidade dos implantes não foram estatisticamente significantes para os dois tipos de enxertos, nos diferentes tempos de observação. A diferença de uma progressiva e melhor integração dos enxertos ocorreu apenas quando se compararam os três tempos de observação, e foi considerada como conseqüência direta da evolução natural do processo cicatricial. Os parâmetros radiológicos de integração seguiram o mesmo padrão dos achados macroscópicos. Os achados microscópicos mostraram que o aparecimento de tecido ósseo maduro é retardado nos enxertos de hidroxiapatita com a ocorrência de cavidades císticas. Concluiu-se que a hidroxiapatita porosa de coral foi um substituto adequado ao enxerto ósseo autógeno em coelhos.
Biblioteca responsável: BR68.1