Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Replacement of soybean meal by linseed meal in diets for piava (Leporinus obtusidens) / Substituição do farelo de soja pelo farelo de linhaça em dietas para a piava (Leporinus obtusidens)

Pianesso, Dirleise; Lazzari, Rafael; Inês Mombach, Patrícia; Juliana Adorian, Taida; Uczay, Juliano; Radünz Neto, João; Emanuelli, Tatiana.
Semina Ci. agr.; 34(1): 419-430, 2013.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-473011

Resumo

The aim of this study was evaluate the replacement of soybean meal by linseed meal on growth of piava juveniles. The experiment was carried on fish farming laboratory of UFSM/CESNORS, on March to April, 2011. They were used 360 fish, (initial weight = 9.0 ± 2.5 g), which placed in a water re-use system composed by 15 tanks (250L), with mean temperature in the morning = 20.3 ± 1.62ºC and in the afternoon = 21.4 ± 1.42ºC, during 30 days. It were testes five diets with volumetric levels of soybean meal replace (0, 25, 50, 75 e 100%). The use of the linseed meal provided same performance to the fish. The weight, total length, standard length, relative weight gain, condition factor and specific growth rate of the piavas were not affected by treatments (P > 0.05). Similarly, the plasmatic glucose, body protein deposition and chymotrypsin enzyme no showed differences. The body lipid deposition was best expressed by the cubic polynomial regression model (P 0 .05). The inclusion of linseed meal increased the amount of the trypsin enzyme (P 0.05). It concludes that the linseed meal can be used as protein source in diets for piava.
O objetivo deste trabalho foi avaliar a substituição do farelo de soja pelo de linhaça no crescimento de juvenis de piava. O experimento foi realizado no laboratório de piscicultura da UFSM/CESNORS, no período de março a abril de 2011. Foram utilizados 360 peixes (peso inicial = 9,0 ± 2,5 g), sendo estes acondicionados em um sistema de recirculação de água composto por 15 tanques (250L), com temperatura média da manhã = 20,3 ± 1,62ºC e da tarde = 21,4 ± 1,42ºC, durante 30 dias. Foram testadas cinco dietas, com níveis volumétricos de substituição do farelo de soja (0, 25, 50, 75 e 100%). A utilização de farelo de linhaça como fonte proteica proporcionou aos peixes o mesmo desempenho. O peso, comprimento total, comprimento padrão, ganho em peso relativo, fator de condição e taxa de crescimento específico das piavas não foram influenciados pelos tratamentos (P > 0,05). Da mesma forma, a glicose plasmática, deposição de proteína corporal e a enzima quimiotripsina não apresentaram diferenças. A deposição de lipídios corporais foi mais bem expressa pelo modelo cúbico de regressão polinomial (P 0 ,05). A inclusão do farelo de linhaça proporcionou aumento na quantidade da enzima tripsina (P 0,05). Conclui-se que o farelo de linhaça pode ser utilizado como fonte protéica em dietas para piava.
Biblioteca responsável: BR68.1