Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Glaucoma facogênico em um cão

Rafael Apulcro Corrêa Marchan, Pedro; Fernanda Villamayor Garcia, Érika; Dalmolin, Fabíola; Luis Pippi, Ney.
Acta Sci. vet.; 402012.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-480222

Resumo

Introdução: Glaucoma é o termo dado ao grupo de doenças nas quais a pressão intraocular (PIO), ultrapassa o limite fisiológico, que nos cães é 25 mmHg, com potencial de causar uma neuropatia óptica e morte das células ganglionares da retina levando a cegueira irreversível. O glaucoma pode ser primário, secundário ou congênito e de ângulo aberto ou fechado. O humor aquoso faz a manutenção da PIO, isso depende do balanço entre a produção, que é realizada pelo corpo ciliar e sua drenagem principal que é realizada pelo ângulo iridocorneano. Os principais sintomas do glaucoma são dor ocular, edema de córnea, congestão episcleral, midríase, vascularização corneal, cegueira, buftalmia, escavação do disco óptico levando a atrofia progressiva da retina e úlcera corneal. O diagnóstico conciso e definitivo é dado após tonometria, sendo a de aplanação o método de escolha e padrão ouro. O tratamento é realizado com fármacos tópicos e sistêmicos e às vezes associado a cirurgias, ambos para diminuir a produção e para auxiliar a drenagem. Os fármacos mais utilizados na emergência são diurético osmótico, juntamente com inibidores da anidrase carbônica ou prostaglandinas tópicas, associado à parassimpatomimético e a um bloqueador beta-adrenérgico. Objetiva-se relatar um caso de glaucoma facogênico emergencial em um cão.Caso: Foi atendido um cão, Poodle, macho, 10 anos. O proprietário relatou que
Biblioteca responsável: BR68.1