Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Effect of replacement of sugarcane by oilseed press cakes in greenhouse gases and volatile fatty acids production in vitro / Efeito da substituição de cana-de-açúcar por tortas oleaginosas sobre a produção in vitro de gases do efeito estufa e ácidos graxos voláteis

Moreira, Milenna Nunes; Silva, Aderbal Marcos de Azevedo; Bezerra, Leilson Rocha; Carneiro, Heloisa; Morais, Raissa Kiara de Oliveira; Medeiros, Fabíola Franklin de.
Acta Sci. Anim. Sci.; 38(3): 293-300, jul.-set. 2016. tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-481077

Resumo

This study aimed to evaluate the production of methane, carbon dioxide, and volatile fatty acids and changes in ruminal pH in vitro with oilseed press cakes inclusion, such as, cottonseed, sunflower, castor bean, moringa and jatropha at four different levels (0, 30, 50 and 70%) in replacement to the sugarcane in ruminant feeding using semi-automated in vitro technique. The byproduct that produced less CO2 was cottonseed cake (p = 0.0059). The cakes that produced the least amount of CH4 were moringa at 70% (p 0.05) and cottonseed at 70% levels (p 0.0001). The cakes that had the highest increases in VFAs were cottonseed and castor (p 0.0001). Additionally, greater pH was moringa at 70% and cottonseed at 50% levels (p 0.0001). The greater acetate concentration was 70% cottonseed cake, propionate concentration with 30% cottonseed and butyrate concentration with 50% moringa in sugarcane replace. At the 70% level, the moringa cake displayed the highest decreases in methane production and reduction in energy loss. At the 50% substitution level, the cottonseed cake is the most suitable replacement for sugarcane in order to reduce the production of greenhouse gases.(AU)
Objetivou-se avaliar a produção de metano, dióxido de carbono, ácidos graxos voláteis e mudanças no pH ruminal in vitro com tortas de oleaginosas: algodão, girassol, mamona, moringa e pinhão manso incluídas em quatro níveis diferentes (0, 30, 50 e 70%) em substituição à cana-de-açúcar na dieta de ruminantes, utilizando-se a técnica semiautomática in vitro. O subproduto que produziu menos CO2 foi o algodão (p = 0,0059). As tortas de oleaginosas que produziram menos CH4 foram moringa (p 0,05) e algodão (p 0,0001) a 70% de inclusão. As tortas que aumentaram a produção de AGVs foram algodão e mamona (p 0,0001). Além disso, o pH aumentou nos níveis de inclusão a 70% de moringa e 50% de algodão (p 0,0001). A maior concentração de acetato ocorreu na torta de algodão a 70%, já o propionato na torta de algodão à 30% e a maior concentração de butirato na torta de moringa à 50% em substituição à cana-de-açúcar. Em nível de 70%, a torta de moringa apresentou maior redução no metano e na energia alimentar. Em nível de substituição de 50%, a torta de algodão foi a substituição mais adequada para a canade-açúcar, a fim de reduzir a produção de gases com efeito de estufa.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1