Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Brucella ovis REO 198 natural and experimental infection in Santa Inês rams from Brazil / Infecção natural e experimental de Brucella ovis REO 198 em carneiros Santa Inês do Brazil

Nozaki, Cristiane Nakada; Azevedo, Hymerson Costa; Lira, Nair Silva Cavalcanti de; Rodello, Leandro; Filho, Otávio Augusto; Dasso, Maurício Gauterio; bicudo, Sony Dimas; Antunes, João Marcelo Azevedo de Paula; Megid, Jane.
Semina Ci. agr.; 34(2): 759-764, 2013.
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-4969

Resumo

B. ovis pathogenicity was evaluated in experimentally inoculated and naturally infected rams. Ten animals were submitted to simultaneous conjunctival and intrapreputial inoculation with 2x109 CFU/ mL of B. ovis REO 198. After that, animals underwent physical examination and blood samples were collected for serology every week. Positive serology results started to be observed in the 3rd week, with fluctuations in titers. Clinical changes began in the 5th week after inoculation and were associated with positive serology in the acute phase of the disease. Presence of B. ovis in semen and urine culture was intermittent. Three non-inoculated animals showed natural infection. B. ovis was shed twice in semen of one serology-negative animal. The study underscored the pathogenic characteristics of B. ovis REO 198 in Santa Inês rams, as well as the importance of animals as potential sources of infection.(AU)
Patogenicidade da B. ovis foi avaliada em carneiros inoculados experimentalmente e naturalmente infectados. Dez animais foram submetidos à inoculação conjuntival e intrapreputial simultânea com 2x109 UFC/mL de B. ovis REO 198. Depois disso, os animais foram submetidos ao exame físico e amostras de sangue foram coletadas para sorologia a cada semana. Sorologia positiva começou a ser observada na terceira semana, com flutuações nas titulações. As alterações clínicas começaram na quinta semana após a inoculação e foram associadas com sorologia positiva na fase aguda da doença. A presença de B. ovis em sêmen e cultura de urina foi intermitente. Três animais não inoculados apresentaram infecção natural. B. ovis foi eliminada duas vezes em sêmen de animal com sorologia negativa. O estudo destacou as características patogênicas de B. ovis REO 198 em carneiros Santa Inês, bem como a importância dos animais como potenciais fontes de infecção.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1