Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Uso do hCG, GnRH ou 17 beta-Estradiol e progesterona associados ao acetato de melengestrol e prostaglandina F2 alfa em novilhas cruzadas (Bos taurus indicus x Bos taurus taurus) / Use of hCG, GnRH or 17 beta-estradiol and progesterone associated with melengestrol acetate and prostaglandin F2 alfa in cross-bred heifers (Bos taurus indicus x Bos taurus taurus)

Bertan, Cláudia Maria; Binelli, Mário; Rodrigues, Paulo Henrique Mazza; Celeghini, Eneiva Carla Carvalho; Almeida, Alexandre Barreto de; Rossa, Luis Augusto Ferreira; Baruselli, Pietro Sampaio; Madureira, Ed Hoffmann.
Braz. j. vet. res. anim. sci; 42(4): 237-249, 2005. tab, ilus, graf
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-5444

Resumo

O objetivo do presente experimento foi avaliar a performance reprodutiva e as características de estros em novilhas cruzadas de corte (Bos taurus indicus x Bos taurus taurus) tratadas com o protocolo MGA/Prostaglandina (PG) em associação a outros hormônios. No dia 0 (Dia 0 = início da ingestão do MGA) as novilhas foram distribuídas ao acaso para receber 2mL de solução salina (grupo Salina), 2500UI de hCG (grupo hCG), 20müg de acetato de buserelina (grupo GnRH) ou 5mg de 17beta-estradiol + 100mg de progesterona (grupo 17beta-E2 +P4. Amostras de sangue foram colhidas nos dias - 7, 0, 7 e 10 para a mensuração das concentrações plasmáticas de progesterona. Independentemente do tratamento, todas as novilhas receberam 0,5mg MGA/ animal/ dia durante 8 dias (Dia 0 ao 7) e PG (Dia 7). Os estros foram observados durante 120h, a partir da injeção de PG, pelo sistema Heat- Watch. As novilhas foram inseminadas 12 horas após o início dos estros ou 72h depois da injeção de PG. O diagnóstico de gestação foi realizado 35 dias após a última inseminação, por ultrasonografia. As respostas em estros foram de 50,0%, 22,2%, 59,5% e 71,8% para os grupos Salina, hCG, GnRH e 17beta-E2 +P4, respectivamente (P< ou =0,01). O intervalo médio da injeção de PG ao estro foi de 72,8 + ou - 22,2, 102,0 + ou - 22,7,84,6 + ou - 19,0 e 72,5 + ou - 24,4 horas (P< ou =0,01), sendo o grau de sincronização similar entre os grupos. As taxas de concepção foram de 57,9%, 37,5%, 40,9% e 39,3% e as taxas de prenhez de 29,0%, 11,1 %,27,0% e 28,2%, para os grupos Salina, hCG, GnRH e 17beta-E2 +P4, respectivamente. Não houve efeito do tratamento na duração dos estros (10,4 + ou - 5,7 horas), número de montas (23,0 + ou - 16,9) e duração das montas (2,7 + ou - 0,3 segundos), sendo os valores entre parênteses correspondentes às médias gerais e desvios padrão. Em conclusão, a performance reprodutiva não foi alterada pela adição do hCG, GnRH ou 17beta-E2 +P4 ao protocolo de sincronização MGA/PG.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1