Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

TUMOR DE ARCO AÓRTICO EM CÃO (Canis familiaris) - RELATO DE CASO

Carolina Salomão, Márcia; Silva de Mattos, Aline; Ribeiro Lucena, Alessandra; da Silva Leite, Juliana; Freire Vallim de Mello, Marcela; Maria Reis Ferreira, Ana.
Vet. Zoot.; 19(1, supl. 1): 107-109, 2012.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-699033

Resumo

O tumor do arco aórtico, também citado na literatura veterinária como tumor da base do coração, quimiodectoma ou paraganglioma (5,7), se origina de quimiorreceptores situados na adventícia da aorta. Os quimiorreceptores são estruturas especializadas na manutenção da homeostase do sistema cardiorrespiratório, funcionando tanto como barorreceptores, quando promovem o aumento ou a diminuição da freqüência cardíaca, da pressão arterial, do tônus vasomotor, da atividade do córtex cerebral e da liberação de adrenalina, como também agem como quimiorreceptores, detectando variações do pH sangüíneo, pressão de oxigênio (PO2) e de dióxido de carbono (PCO2) (2). Embora incomuns, os quimiodectomas podem acometer cães e raramente gatos e bovinos. Cães idosos e de raças braquiocefálicas como boxer, bulldog e boston terrier apresentam maior predisposição ao desenvolvimento deste tipo de neoplasia (3,5). Os quimiodectomas são afuncionais, frequentemente benignos, de crescimento lento e os sinais clínicos resultam da obstrução mecânica nos vasos da base do coração (5,6). Os animais apresentam história clínica de dificuldade respiratória, tosse e intolerância ao exercício e sinais associados a insuficiência do coração direito como distensão da jugular, efusão pleural, efusão abdominal e edema periférico (2). O diagnóstico do tumor e da efusão pericárdica baseia-se nos achados clínicos e de image
Biblioteca responsável: BR68.1