Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

LARVA MIGRANS VISCERAL E CUTÂNEA COMO ZOONOSES: REVISÃO DE LITERATURA

Cristina Baldini Peruca, Luciana; Langoni, Helio; Baldini Lucheis, Simone.
Vet. Zoot.; 16(4): 601-616, 2009.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-699053

Resumo

RESUMO A larva migrans é uma enfermidade de distribuição mundial, mas é relatada com maior freqüência em países tropicais e subtropicais. A infecção é descrita como uma zoonose parasitária que envolve a migração de larvas de alguns helmintos em diversos órgãos do ser humano e são classificadas como larva migrans cutânea (LMC), larva migrans visceral (LMV) e larva migrans ocular (LMO). A LMC é uma enfermidade que ocorre quando, ao contato direto com as larvas, as mesmas penetram na pele e migram no tecido subcutâneo, formando trajetos larvais na epiderme humana. Quando as larvas são ingeridas e migram pelos órgãos internos do hospedeiro, a enfermidade é denominada LMV. A LMO é uma afecção que ocorre quando as larvas, após ingeridas como na LMV, invadem o olho do ser humano. Os principais agentes etiológicos das LMC e LMV são Ancylostoma spp e Toxocara spp, respectivamente, helmintos que tem como hospedeiros naturais cães e gatos. A contaminação ambiental por ovos e/ou larvas de potencial zoonótico é um indicador importante de ocorrência das LMC e LMV. As apresentações clínicas diferem de acordo com o órgão acometido e associadas aos exames laboratoriais e sorológicos são conclusivas no diagnóstico das LMC e LMV. Os diversos fatores ambientais, culturais e econômicos condicionantes para essas enfermidades, bem como o crescente número de cães e gatos domiciliados e errantes, au
Biblioteca responsável: BR68.1