Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Determinação das concentrações séricas de glicose e insulina de cães em choque endotóxico

Mery Kogika, Márcia; Pinto Brandão, Leonardo; Marques Jericó, Márcia; Kuribayashi Hagiwara, Mitika; Maria Nunes Simões, Denise; Mendonça, Berenice.
Ci. Rural; 31(5)2001.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-703881

Resumo

Progressive hypoglycemia is one of the main causes that could lead dogs to death with septic shock. The ancillary therapy suggested by many authors includes glucose and insulin replacement to improve tissue glucose utilization; however, there are some contradictions about insulin serum concentration values in patients with septic shock, making questionable the need for insulin replacement. This study evaluated glucose serum concentration changes in dogs with septic shock and insulin serum concentrations (absolute and relative ratios) in the hypoglycemic group obtaining information that may help the therapy of hypodinamic shock. Twenty-five dogs seen in the emergency room of the Veterinary Teaching Hospital of Universidade de São Paulo showing signs of endotoxic shock due to a hemorragic gastroenteritis (presumptive diagnosis of parvovirus infection) were evaluated in this study. There were 52% hypoglycemic animals, 36% normoglycemic and 12% were hyperglycemic. Out of 13 hypoglycemic dogs, 3 had absolute and relative hyperinsulinemia and only relative hyperinsulinemia in 6 dogs. Absolute hypoinsulinemia was observed in 2 animals. The finding that more than a half of the animals in the hypodinamic state of shock presented absolute or relative hyperinsulinemia, denoted the demand of carefull laboratorial evaluation of the patient prior to insulin administration. The administration should be reserved for animals with periferic resistance or decrease in insulin serum concentration.
A progressiva instalação de um quadro hipoglicêmico é uma das principais causas de evolução fatal dos animais em choque endotóxico. A terapia preconizada pela literatura sugere a reposição de glicose e insulina a estes pacientes com o objetivo de facilitar a entrada de glicose nos tecidos; no entanto, há controvérsias com relação aos valores séricos de insulina nos animais em choque endotóxico, gerando dúvidas quanto aos benefícios da insulinoterapia nestes pacientes. O presente estudo determinou as variações nas concentrações séricas de glicose em cães em choque endotóxico e avaliou as concentrações séricas de insulina, em valores absolutos e relativos (relação insulina/glicose e insulina/glicose corrigida), nos animais hipoglicêmicos, obtendo-se subsídios para a instituição de terapia de reposição de insulina e glicose na fase hipodinâmica do choque. Foram estudados 25 cães atendidos no Serviço de Pronto Atendimento Médico do Hospital Veterinário da FMVZ/USP, apresentando quadro de choque endotóxico decorrente de gastrenterite hemorrágica, com diagnóstico presuntivo de parvovirose. Em 52% dos animais observou-se hipoglicemia; 36% dos animais estavam normoglicêmicos e 12% hiperglicêmicos. Dentre os 13 animais hipoglicêmicos observou-se a ocorrência de hiperinsulinemia absoluta e relativa em 3 cães e apenas relativa em 6 animais. Em 2 animais observou-se hipoinsulinemia absoluta. A constatação de que mais da metade dos animais hipoglicêmicos, na fase mais avançada do choque, apresentaram hiperinsulinemia absoluta ou relativa revelou a necessidade de uma avaliação cautelosa do paciente antes de se proceder à indicação terapêutica de insulina, a qual se restringirá àqueles em que houver resistência periférica à sua ação ou ainda redução de sua concentração sérica.
Biblioteca responsável: BR68.1