Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Butorfanol na anestesia com propofol em gatas pré-tratadas com levomepromazina

Pereira de Souza, Almir; Gonzaga Pompermayer, Luiz; Sérgio Lima de Lavor, Mário; Schmitz Duarte, Tatiana; Maria Nunes da Silva, Rosangela.
Ci. Rural; 32(4)2002.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-704024

Resumo

The aim of this work was to evaluate the influence of butorphanol in female cats anesthetized with propofol, for elective ovariosalpingohysterectomy. Twenty adult female cats were randomly distributed in two groups of ten animals each (G1 and G2). G1 received intramusculary, 1mg/kg of levomepromazine, followed 30 minutes later, by anesthetic induction with propofol (8.0 ± 2.0mg/kg, intravenously). Anesthesia was maintened during 60 minutes through complementary doses of propofol (3mg/kg), whenever necessary. For G2 the same metodology was used, except for the addiction of butorphanol (0.4mg/kg intramusculary) in the premedication. In both groups there was significant reduction of corporal temperature. The other physiological variables, heart rate, respiratory rate and arterial pressure, had changes although without clinical or statistical meaning for the species. The concentrations of plasmatic cortisol in the G2 stayed inside the physiologic limits and in G1 there was an increase of those values during the surgical procedure. The butorphanol didn't reduce the dose of propofol, even though it determined a larger comfort for the animals during the execution of the surgical intervention, what would indicate its inclusion in anesthetics protocols for the species.
Objetivando avaliar a influência do butorfanol na anestesia com propofol na espécie felina, durante ovariosalpingohisterectomia eletiva, utilizaram-se 20 gatas, adultas, distribuídas em dois grupos (G1 e G2) de igual número. O G1 foi pré-tratado com levomepromazina (1mg/kg via IM), enquanto no G2 adicionou-se butorfanol na dose de 0,4mg/kg via IM, à pré-medicação. A indução anestésica foi feita com propofol IV, em dose suficiente para permitir a intubação. Para a manutenção da anestesia por 60 minutos, o propofol foi utilizado em doses complementares de 3 mg/kg, sempre que necessário. Em ambos os grupos, houve redução significativa da temperatura corporal, com valores abaixo do considerado fisiológico para a espécie. Os demais parâmetros fisiológicos (freqüências cardíaca e respiratória e pressão arterial), de uma forma geral, tiveram alterações porém sem significado clínico para a espécie. As concentrações de cortisol sérico no G2 permaneceram dentro dos limites considerados fisiológicos, enquanto no G1 houve elevação desses valores durante o procedimento cirúrgico. Assim, pode-se concluir que o butorfanol não reduziu a dose do propofol, porém determinou maior conforto para os animais durante a cirurgia o que indicaria a sua inclusão em protocolos anestésicos para esta espécie.
Biblioteca responsável: BR68.1