Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

A pro-inflammatory effect of foot and mouth disease vírus on immune and non immune guinea pigs / Efeito pró-inflamatório do vírus da febre aftosa em cobaias imunes e não imunes

José Montassier, Helio; Henrique Bechara, Gervásio; Braga Malheiros, Euclides.
Braz. j. vet. res. anim. sci; 29(supl): 384-389, 1992.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-710739

Resumo

The O1Campos strain of foot and mouth disease virus (FMDV) used as inducing agent in the pleurisy model was able to trigger a pro-inflammatory effect on normal and immune guinea pigs. The proinflammatory activity which was detected at two times of the pleurisy (24 and 48 hours) on normal guinea pigs was characterized only by mononuclear (MN) cell influx, during the first interval of the reaction and by edematogenic effect, MN and polimorphonuclcar (PMN) leucocyte migration, at the last time of the reaction. The inflammatory reaction profiles recorded on immune guinea pigs (vaccinated with anti-O1Campos oil adjuvanted vaccine), both after 7 and 30 days post vaccination (pv) have showed, in both interval, lower intensities than that observed in normal guinea pigs, although in the 7 days PV guinea pigs the accumulations of total leucocytes and PMN were similar to that displayed by normal animals, after 48 hours of the reaction. Besides, on thirty days PV guinea pigs the FMDV induced a significant increase in volume of exudate and MN cell infiltration, after 24 hours, and all of the inflammatory parameters values dropped to normal levels, during the second interval of the reaction. It was found a negative association between the increase in serum neutralizing antibody titer, from 7 to 30 days PV and the intensities of pleural inflammatory parameters on the immun
A estirpe O1Campos do vírus da febre aftosa (VFA) usada como agente indutor do teste de pleurisia foi capaz de desencadear um efeito pró-inflamatório em cobaias normais e imunes. A atividade pró-inflamatória do VFA, detectada em dois intervalos de pleurisia (24 e 48 horas) foi demonstrada, somente por quimiotaxia de leucócitos mononucleares (MN), no primeiro intervalo e por efeito edematogênico, migração de MN e polimorfonucleares (PMN), no último intervalo de reação. Os perfis de reação inflamatória induzida pelo VFA em cobaias imunes (imunizadas com vacinas oleosas anti-VFAO1Campos), aos 7 e aos 30 dias pós-vacinação (PV) apresentaram imensidades mais baixas do que as observadas em cobaias normais, embora nas cobaias com 7 dias de vacinação a quimiotaxia de leucócitos totais e de PMN tenha sido similar àquela encontrada nos animais normais, no intervalo de 48 horas de reação. Ademais, nas cobaias com 30 dias PV, o VFA induziu um aumento significante no volume de exsudato e na infiltração de MN, no intervalo de 24 horas, sendo que os valores de todos os parâmetros do exsudato inflamatório caíram a níveis normais, no segundo intervalo de reação. Nas cobaias imunes foi observada uma associação negativa entre o aumento no título de anticorpos soro-neutralizantes, de 7 para 30 dias PV e as intensidades dos parâmetros inflamatórios pleurais. O teste de pleurisia revelou-se um proce
Biblioteca responsável: BR68.1