Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Anatomia e cinética de degradação do feno de Manihot glaziovii / Anatomy and kinetics of degradation of Manihot glaziovii Hay

França, Andrezza Araújo de; Guim, Adriana; Batista, Ângela Maria Vieira; Pimentel, Rejane Magalhães de Mendonça; Ferreira, Geane Dias Gonçalves; Martins, Isis Darlene Sabóia Leal.
Acta Sci. Anim. Sci.; 32(2): 131-138, abr.-jun. 2010. ilus, tab
Artigo em Português | VETINDEX | ID: vti-7236

Resumo

Avaliaram-se a composição química, o teor de compostos secundários, a degradabilidade in situ, a anatomia e a degradabilidade dos tecidos do feno de maniçoba, a partirde plantas em início de frutificação, oriundas de uma vegetação de caatinga em Ibimirim, Estado do Pernambuco. O caule apresentou células com variados graus de lignificação, destacando-se apresença de fibras gelatinosas, parênquima medular lignificado e espessas paredes celulares noxilema. As folhas se destacam pela presença da estrutura girder, caracterizam-se pela grande quantidade de mesofilo, constituído por células com paredes delgadas, contribuindo para a degradabilidade de matéria seca. Idioblastos contendo drusas de oxalato foram encontrados nostecidos vasculares, na nervura principal da folha. Eles funcionam como mecanismos de defesa do vegetal contra herbívoros e podem afetar a disponibilidade de minerais para o animal. O feno de maniçoba, apesar de obtido de planta em avançado estágio de maturidade (início da frutificação), possui adequada composição química e baixos teores de ácido cianídrico e taninos. Os principais limitantes à degradabilidade são o espessamento e a lignificação das paredes celulares, especialmente nos tecidos do caule. Adicionalmente, os diversos aspectos aqui relatados induzemà continuidade de pesquisas em diversos focos e visam ao melhoramento e à utilização desta espécie como forrageira.(AU)
This study the structural components of cell wall with its degradability, chemical composition, secondary compounds, in situ degradability, anatomy and tissue degradability of the hay of “maniçoba” (wild cassava) from plants in early fruiting, from savanna vegetation in Ibimirim, Pernambuco. The stem showed cells with varied degrees of lignification, highlighting the presence of gelatinous fibers, lignified pith parenchyma and thick cell walls inside the xylem. The leaves were highlighted by the presence of a girder structure, characterized by the great quantity of mesophyll, constituted by cells with thin walls, contributing to the degradability of dry matter. Idioblasts with druses of oxalate were observed around the vascular tissues, in the midrib. It works like defense mechanisms of plant against herbivores and can affect the availability of minerals for animals. “Maniçoba” hay, in spite of its advanced maturity stage (early fruit development), presents adequate chemical composition and low concentration of cianidric acid and tannins. The mains limits to degradability are cell wall thickness and lignification, particularly in stem tissue. Additionally, several aspects reported here induce to the continuity of studies in several focuses and aim to improve the use this specie as forage.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1