Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Digestibility in sheep fed diets based on increasing levels of sugar cane (Saccharum officinarum L.) / Efeitos de níveis crescentes de Cana de açúcar (saccharum Officinarum L.) na dieta de ovinos, sobre a digestibilidade dos nutrientes

Shigueo Fukushima, Romualdo; Antonio Zanetti, Marcus; de Sousa Lucci, Carlos; Abdalla, Catarina.
Braz. j. vet. res. anim. sci; 23(2): 161-166, 1986.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-727286

Resumo

Digestibility and voluntary feed intake were studied in eight sheep when sugar cane was substituted for corn silage. Animals were randomly allocated to four treatments: A) only corn silage; B) 66% silage and 33% sugar cane; C) 33% silage and 66% sugar cane; D) only sugar cane. Soy bean meal, minerals and vitamin A were also used. Feed consumption and dry matter digestibility showed no difference among treatments. Nitrogen-free extract digestibility was higher in treatment D than treatment A. Digestibility average values for treatments A, B, C. and D were, respectively; dry matter 49.31; 48.85; 54.76 and 53.85%; crude protein 46.04; 55.53; 56.24 and 54 4 9% ether extract 50.89; 59.54; 55.77 and 47.82%; crude fiber 49.42; 39.99; 45.40 and 44.78%; nitrogen-free extract 54.68; 55.73; 60.80 and 64,00%
Foram estudadas as alterações decorrentes do uso da cana de açúcar em substituição à silagem de milho, no consumo voluntário de matéria seca e na digestibilidade aparente dos nutrientes, utilizando 8 carneiros, distribuídos em 4 tratamentos: A) somente silagem.; B) 66% de silagem a 33% de cana; C) 33% da silagem a 66% de cana; D) somente cana. Para tornar as dietas isoprotéicas, foi utilizado farelo de soja. Não houve diferença significativa quer no consumo, quer na digestibilidade da matéria seca. A digestibilidade dos extrativos não nitrogenados foi maior no tratamento D que no tratamento A. Os valores médios dos coeficientes de digestibilidade para os tratamentos A,.B, C e D, foram respectivamente: matéria seca 49,31; 48,85; 54 ,76 e 53,85; proteína bruta 46,04; 55,53; 56,24 e 54,49; extrato etéreo 50,89; 59,54; 55,77 e 47,82%; fibra bruta 49,42; 39,39; 45,40 e 44,78%; extrativos. não nitrogenados 54,68; 55,73, 60,30 a 64,00%.
Biblioteca responsável: BR68.1