Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Multidrug-resistant Staphylococcus pseudintermedius isolated from dog: case report / Staphylococcus pseudintermedius multirresistente isolado do cão: relato de caso

Aizawa, Juliana; Souza-Filho, Antonio Francisco de; Cortez, Adriana; Vasconcelos, Carla Gasparotto Chande; Biotto, Janaina; Heinemann, Marcos Bryan.
Braz. j. vet. res. anim. sci; 54(4): 430-433, 2017.
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-734926

Resumo

The zoonotic potential of multidrug resistant (MDR) bacteria is a worldwide concern and companion animals have been implicated in the spread of resistant bacteria. Therefore, surveillance is important, as there are reports of transmission of these bacteria from dog to men, as well as from men to dog. A 5-year-old mixed-breed male dog was admitted with obstructive struvite urolithiasis relapsing for over 18 months, in Botucatu, in the state of São Paulo, Brazil. The strain, biochemically identified as Staphylococcus spp., was MDR and was treated off-label with vancomycin, which resulted in clinical cure. The strain was molecularly identified as Staphylococcus pseudintermedius and the mecA gene was identified. This is the main gene responsible for methicillin-resistant S. pseudintermedius (MRSP), which is often resistant to multiple antimicrobials. The hypotheses for this clinical case are the transmission from man to animal, since the tutor was an intensivist doctor, or the bacterium itself could be part of the animal's microbiota and due to other factors, such as stress or obstructive urinary disease, opened a doorway to infection by S. pseudintermedius. Further studies should elucidate the transmission of MDR bacteria between human and pets.(AU)
O potencial zoonótico de bactérias multirresistentes é uma preocupação global e os animais de companhia têm sido implicados na disseminação de bactérias resistentes; assim, é importante a vigilância, pois já existem relatos de transmissão destas bactérias do cão para o homem e vice-versa. Um cão, sem raça definida e de cinco anos de idade, foi atendido na cidade de Botucatu, São Paulo, Brasil, apresentando urolitíase obstrutiva de estruvita recorrente há um ano e meio. Na urocultura do animal foi isolada uma estirpe de Staphylococcus spp. multirresistente; o tratamento com vancomicina possibilitou acura clínica. A estirpe de Staphylococcus spp. isolada foi identificada molecularmente como S. pseudintermedius e nela foi identificada a presença do gene mecA, o principal responsável por S. pseuidintermedius resistente à meticilina (MRSP), e que é frequentemente resistente à múltiplos antimicrobianos. As hipóteses para este caso clínico são a transmissão do homem para o animal, pois o tutor era um médico intensivista, ou que a própria bactéria fazia parte da microbiota do animal e, devido a outros fatores como estresse e doença urinária obstrutiva, abriu-se uma porta de entrada para a infecção pelo S. pseudintermedius. Mais estudos são necessários para a elucidação da transmissão de bactérias multirresistentes entre animais de companhia e o ser humano.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1