Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

In vivo effect of essential oil of Mentha x villosa and its active compound against Schistosoma mansoni (Sambon, 1907)

Matos-Rocha, T. J.; Cavalcanti, M. G. S.; Veras, D. L.; Feitosa, A. S.; Freitas, C. F. de; Suassuna, A. S. C. L.; Melo, E. S. de; Barbosa-Filho, J. M.; Alves, L. C.; Santos, F. A. Brayner dos.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-743512

Resumo

Abstract Schistosomiasis treatment is dependent on a single drug, praziquantel (PZQ). The development of resistance of PZQ has drawn the attention of many researchers to alternative drugs. One viable and promising treatment is the study of medicinal plants as a new approach to the experimental treatment for Schistosomiasis. The present work aimed to evaluate in vivo antischistosomal activity of effect of Mentha x villosa Oil Essential (Mv-EO) and rotundifolone (ROT) against Schistosoma mansoni. Thirty-day-old female Swiss webster mice (Mus musculus) weighing 50 grams were used. Mice were infected with 80 cercariae of S. mansoni (BH strain) and orally administered Mv-EO (50, 100 and 200 mg/Kg) and ROT (35.9, 70.9 and 141.9 mg/Kg) at 45-days post infection for 5 consecutive days. All mice were euthanized 60 days after infection. Praziquantel was the positive control in the experiment. Doses of 200 mg/kg (Mv-EO) and ROT (141.9 mg/Kg) resulted in a significant reduction in fluke burden (72.44% and 74.48%, respectively). There was also marked reduction in liver, intestinal and faecal and changed oogram pattern, compared to infected untreated mice. Considering the results obtained, further biological studies are required in order to elucidate the mechanism of schistosomicidal action on against adult S. mansoni.
Resumo O tratamento da esquistossomose é dependente de uma única droga, praziquantel (PZQ). O desenvolvimento da resistência de PZQ tem atraído atenção de muitos pesquisadores por medicamentos alternativos. Um tratamento viável e promissor é o estudo das plantas medicinais como uma nova abordagem para o tratamento experimental para esquistossomose. O presente trabalho objetivou avaliar a atividade esquistossomicida in vivo óleo essencial de Mentha x villosa (OE-Mv) e rotundifolona (ROT) contra Schistosoma mansoni. Foram utilizados camundongos Swiss webster (Mus musculus) fêmea de trinta dias de idade pesando 50 gramas. Os camundongos foram infectados com 80 cercárias de S. mansoni (cepa BH) e administrado por via oral OE-Mv (50, 100 e 200 mg/Kg) e ROT (35,9, 70,9 e 141,9 mg/Kg) apos 45 dias de infecção durante 5 dias consecutivos. Todos os animais foram eutanasiados 60 dias após a infecção. Praziquantel foi o controle positivo no experimento. O tratamento dos camundongos infectados com doses de 200 mg/kg (OE-Mv) e rotundifolona (141,9 mg/Kg) resultaram em redução significativa dos vermes (72.44% e 74.48%, respectivamente). Foi observado também redução no fígado, intestino e fecal e alteração no padrão do oograma, em comparação aos camundongos infectados e não tratados. Considerando os resultados obtidos, mais estudos biológicos são necessários a fim de elucidar o mecanismo de ação esquistossomicida contra adultos de S. mansoni.
Biblioteca responsável: BR68.1