Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Assessing the growth of Arctic charr (Salvelinus alpinus) (Linnaeus, 1758) in four salinities, under experimental conditions

Mardones, A.; Vega, R.; Encina, F.; Pichara, C.; González, K.; De los Rios, P.; Peña, B..
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-744077

Resumo

Abstract Studies in Salvelinus alpinus, Arctic charr, indicate that it has a low capacity to hyposmorregulatory or adaption to sea in winter periods in Arctic waters. The investigation finds to determinate the rank optimum of salinity to can cultivate this species at Chile. The weight adequate was determined to join on the sea by analysis of gill Na+, K+-ATPase activity, that it was found between the ranks 80-130 g, with 14.5 U/mg. It underwent evaluation of fish growth of 72 g salinities from 0 (control), 18, 25 and 33 g/L (sea water) for 94 days. The results indicate that the largest increases were obtained in brackish water. T18 g/L and T25 g/L achieved growth of 25% and 19% on day 94 and term sampling respectively. It is important to mention that the 8% that survived in seawater introduced percentages growth 16.6% equivalent to brackish water and control. These results suggest that Salvelinus alpinus can grow in seawater, with levels of Na+, K+-ATPase similar to those submitted by Salmo salar with a weight not less than 80 g.
Resumo Estudos em Salvelinus alpinus, Charr Ártico, indicam que tem baixa capacidade de hiposmorregulação ou adaptação ao mar em períodos de inverno nas águas do Ártico. A investigação determina o melhor nível de salinidade para cultivar esta espécie no Chile. Determinou-se o peso adequado para se unir ao mar pela análise da atividade da Na +, K + -ATPase das brânquias, que foi encontrada entre as faixas de 80 a 130 g, com 14,5 U/mg. Foi avaliado o crescimento de 72 g salinidades de 0 (controle), 18, 25 e 33 g/L (água do mar) por 94 dias. Os resultados indicam que os maiores aumentos foram obtidos em água salobra. T18 g/L e T25 g/L alcançaram crescimento de 25% e 19% no dia 94 e amostragem a termo, respectivamente. É importante mencionar que os 8% que sobreviveram na água do mar apresentaram percentuais de crescimento de 16,6% equivalentes a água salobra e controle. Estes resultados sugerem que o Salvelinus alpinus pode crescer em água do mar, com níveis de Na +, K + -ATPase semelhantes aos apresentados por Salmo salar com um peso não inferior a 80 g.
Biblioteca responsável: BR68.1