Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Phoretic mites (Rhinoseius spp.) in Apodiformes from Cerrado and Pantanal Biomes in midwestern Brazil

Ramos, D. G. S.; Mascarenhas, C. S.; Braga, Í. A.; Melo, A. L. T.; Oliveira, P. G.; Saturnino, K. C.; Sinkoc, A. L.; Aguiar, D. M.; Pacheco, R. C..
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-744127

Resumo

Abstract Nasal mites are commonly found in hummingbirds (Apodiformes). In most cases, endoparasitic mites were reported to parasitize the respiratory system, particularly the anterior nasal chambers, larynx, trachea, lungs, and the air and conjunctival sacs. However, some mites are only carried by hummingbirds, because flowers serving as a nutrient source for these small mites, such as for Apodiformes, a tropical nectar-feeding in their natural habitat. From August 2012 to May 2014, humminbirds were captured using mist nets, and examined for the presence of nasal mites (identified according to specific keys) in the Pantanal, and Cerrado biomes, from the Mato Grosso state, midwestern Brazil. Overall, 76 Apodiform specimens, from the Trochilidae family were captured, and 20 female nasal mites, identified as being from the Rhinoseius genus, were collected from eight hosts (10.5%), of the following species: Amazilia fimbriata, Amazilia versicolor, Eupetonema macroura, and Thalurania furcata. The Rhinoseius spp. has been reported on, in many ecosystems in the Americas, including Brazil, however, this is the first report on Apodiformes from the Pantanal biome. Phoretic mites are not responsible for direct damage to the population of Apodiformes, as they are not pathogenic. However, they compete for food with hummingbirds and decrease the quantity of food available in the environment. They also affect the reproductive dynamics of plants, feed on pollen, and interfere with the intricacies of the biodiversity where they live.
Resumo Os ácaros nasais são comumente encontrados em beija-flores (Apodiformes). Na maioria dos casos, os ácaros foram relatados como endoparasitas, parasitando o sistema respiratório, particularmente as câmaras nasais anteriores, a laringe, a traqueia, os pulmões e os sacos aéreos e conjuntivais. No entanto, alguns ácaros são transportados apenas por beija-flores, pois flores servem como fonte de nutrientes para esses pequenos ácaros, assim como para Apodiformes tropicais alimentados de néctar em seu habitat natural. De agosto de 2012 a maio de 2014, beija-flores foram capturadas com redes de neblina e examinadas quanto à presença de ácaros nasais (identificados de acordo com chaves específicas) nos biomas Pantanal e Cerrado, no estado do Mato Grosso, Centro-Oeste do Brasil. No total, 76 exemplares Apodiformes da família Trochilidae foram capturados e 20 fêmeas de ácaros nasais, identificados como pertencentes ao gênero Rhinoseius, foram coletados de oito hospedeiros (10,5%), das seguintes espécies: Amazilia fimbriata, Amazilia versicolor, Eupetonema macroura e Thalurania furcata. Rhinoseius spp. foi relatado em muitos ecossistemas nas Américas, incluindo o Brasil, no entanto, este é o primeiro relato em Apodiformes do bioma Pantanal. Os ácaros foréticos não são responsáveis por danos diretos à população de Apodiformes, pois não são patogênicos. No entanto, eles competem por comida com beija-flores e diminuem a quantidade de comida disponível no ambiente. Eles também afetam a dinâmica reprodutiva das plantas, se alimentam de pólen e interferem nas interações da biodiversidade em que vivem.
Biblioteca responsável: BR68.1