Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Distribution of planktonic microcrustaceans (Cladocera and Copepoda) in lentic and lotic environments from the semiarid region in northeastern Brazil

Diniz, Leidiane P.; Morais Júnior, Cláudio S. de; Medeiros, Ittalo L.S.; Silva, Alef J. da; Araújo, Alan P.; Silva, Tâmara A.; Melo Júnior, Mauro de.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-744394

Resumo

Abstract The present study aimed to inventory the biodiversity of planktonic microcrustaceans (Cladocera and Copepoda) in 44 environments from the semiarid region of Brazil, increasing the knowledge about zooplankton community, including phytophilous species. Between 2011 and 2017, organisms were collected in a non - systematic way in the states of Rio Grande do Norte, Pernambuco, Ceará and Paraíba. A total of 60 species of planktonic microcrustaceans were identified, of which 52 were cladocerans and eight were copepods. The basin that presented the highest richness was Pajeú River with 41 species. Nevertheless, the extrapolated number of species shows an increasing tendency for this basin. The genus composition was different between the basins, with Moxotó basin (Pernambuco) being isolated from the others, probably since lagoons were the only type of environment sampled in this basin. Richness and abundance patterns were higher for the basins where sampling was mainly performed in lentic environments, such as Pajeú and Moxotó. Microcrustacean inventories and long-term studies need to be conducted more frequently to better understand the biodiversity of continental aquatic ecosystems in the semiarid region of Brazil.
Resumo O presente estudo objetivou inventariar a biodiversidade de microcrustáceos planctônicos (Cladocera e Copepoda) em 44 mananciais da região semiárida do Brazil, ampliando o conhecimento da comunidade zooplanctônica desta região, incluindo as espécies fitófilas. Os organismos foram coletados de modo não sistemático entre 2011 e 2017, nos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Ceará e Paraíba. Um total de 60 espécies de microcrustáceos planctônicos foram identificadas, sendo 52 de cladóceros e oito de copépodes. A bacia que apresentou maior riqueza foi a do rio Pajeú com 41 espécies. Mesmo assim, o número extrapolado de espécies mostra tendência de aumento para essa bacia. A composição dos gêneros foi diferente entre as bacias hidrográficas, sendo a bacia do Moxotó (Pernambuco) isolada das demais, talvez porque nesta bacia as lagoas foram o único tipo de ambiente amostrado. Os padrões de riqueza e de abundância se mostraram mais elevados para as bacias ondem a amostragem foi realizada principalmente em ambientes lênticos, como a do Pajeú e do Moxotó. Inventários de microcrustáceos e estudos de longa duração precisam ser maximizados para ampliação do conhecimento da biodiversidade dos ecossistemas aquáticos continentais da região semiárida brasileira.
Biblioteca responsável: BR68.1