Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Hummingbird (Aves: Trochilidae) assemblage using resources from the exotic African tuliptree, Spathodea campanulata (Bignoniaceae) in a Neotropical altered environment, southeastern Brazil

Pimenta, V. R. A.; Dias, M. M.; Reis, M. G..
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-744407

Resumo

Abstract The non-native African tuliptree, Spathodea campanulata (P. Beauv), is widely distributed in altered Neotropical environments, where hummingbirds are important pollinators. We investigated the assemblage of hummingbirds which fed on its nectar and described their behavior, to understand possible influences of the exotic tree on the territorial behavior in an altered environment in southeastern Brazil. Seven species fed on flower resources, mainly Eupetomena macroura (Gmelin, 1788), Amazilia lactea (Lesson, 1832), and Florisuga fusca (Vieillot, 1817). Visiting time was positive correlated with number of flowers accessed, but in most visits, hummingbirds get the nectar by pillage, instead of frontal access. Flower availability varied throughout months; however, we found no evidence of significative correlation between available flowers and number of agonistic encounters. Despite a high number of animal-plant interactions and a strong territorialism of some species observed in African tuliptree foraging site, there may be other plants at local scale influencing the behavioral patterns observed.
Resumo A tulipa africana, Spathodea campanulata (P. Beauv), é uma árvore não nativa amplamente distribuída em ambientes Neotropicais alterados, onde os beija-flores são importantes polinizadores. Investigamos a assembleia de beija-flores que se alimentam do néctar e descrevemos seus comportamentos para compreender possíveis influências da árvore exótica sobre o comportamento territorial em um ambiente alterado no sudeste do Brasil. Sete espécies se alimentaram de recursos florais, principalmente Eupetomena macroura (Gmelin, 1788), Amazilia lactea (Lesson, 1832) e Florisuga fusca (Vieillot, 1817). O tempo de visita foi correlacionado positivamente com o número de flores acessadas, mas na maioria das visitas os beija-flores obtiveram o néctar pela pilhagem, em vez do acesso frontal. A disponibilidade de flores variou ao longo dos meses; no entanto, não encontramos evidências de correlação significativa entre flores disponíveis e número de encontros agonísticos. Apesar do grande número de interações entre plantas e animais e um forte territorialismo de algumas espécies observadas no local de forrageamento, pode haver outras plantas em escala local influenciando os padrões comportamentais observados.
Biblioteca responsável: BR68.1