Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Ultrasonic and radiographic study of laxity in hip joints of young dogs / Estudo ultra-sonográfico e radiográfico da frouxidão articular em cães jovens

Rocha, B. D; Tôrres, R. C. S.
Arq. bras. med. vet. zootec; 59(1): 90-96, fev. 2007. ilus, tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-7446

Resumo

In the present study, 22 hip joints of Whippet (four), Rottweiler (five) and Labrador Retriever (two) young dogs were evaluated with the aim of comparing the ultrasonic examination of coxofemoral joints with the radiographic evaluations, both distraction and conventional procedures, for the early diagnosis of passive laxity. The study was based on static ultrasonography, conventional radiography (CR) and distraction radiography (DR) methods. In order to quantify the relationship between the femur head and the acetabulum, the alpha (a) and gamma (g) angles were measured by ultrasonographic examination, the Norberg angle (NA) was measured by CR, and the distraction index (DI) was measured by DR. It was observed a negative correlation between angles a and g (r= -0,756; P<0.001) and correlation between DI and NA (r= -0.474; P<0.026). No correlation was observed between angles a and g in relation to DI and NA (a and DI: r= -0.380; P<0.081; a and NA: r= 0.013; P<0.954; g and DI: r= 0.338; P<0.124; g and NA: r= -0.192; P<0.391). The static ultrasonographic did not prove to be a sensitive method to earlier detection of passive laxity of coxofemoral joints in dogs aging 14 and 15 day-old. The distraction index of DR was efficient in early detecting the passive laxity in dogs averaging five months old, when compared to the NA of CR. Two false negative dogs were detected by the DI. The CR method was relevant to detect osteoarthritis alterations, helping the diagnosis of hip dysplasia (HD).(AU)
Avaliaram-se 22 articulações coxofemorais de cães das raças Whippet (quatro cães), Rottweiler (cinco cães) e Labrador Retriever (dois cães), com o objetivo de comparar o exame ultra-sonográfico da articulação coxofemoral de cães jovens com as avaliações radiográficas em distração e convencional, para a determinação precoce da frouxidão articular passiva. Utilizaram-se os métodos ultra-sonográfico estático, radiográfico convencional (MRC) e radiográfico em distração (MRD). Para quantificar a relação entre a cabeça do fêmur e o acetábulo, foram medidos os ângulos alfa (a) e gama (g) no exame ultra-sonográfico, o ângulo de Norberg (AN) no MRC e o índice de distração (ID) no MRD. Observou-se correlação negativa entre os ângulos a e g (r= -0,756; P<0,001) e entre ID e AN (r= -0,474; P<0,026). Não se observou correlação entre os ângulos a e g em relação ao ID e o AN (a e ID: r= -0,380; P<0,081; a e NA: r= 0,013; P<0,954; g e ID: r= 0, 338; P<0,124; ângulo g e AN: r= -0,192; P<0,391). O método ultra-sonográfico estático não se mostrou sensível para a detecção precoce da frouxidão passiva da articulação coxofemoral de cães com idade entre 14 e 15 dias. O índice de distração do MRD foi eficiente na detecção da frouxidão articular passiva em cães com idade média de cinco meses, quando comparado ao AN do MRC, sendo possível a identificação de dois cães falsos negativos. O MRC foi importante na observação das alterações osteartróticas, auxiliando o diagnóstico da displasia coxofemoral (DCF).(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1