Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Aspectos hemodinâmicos da circulação extracorpórea em cães

Knupp, Sheila Nogueira Ribeiro; Vale, Daniela Fantini; Monteiro, Guilherme Soares; Luz, Mônica Jorge; Sheffer, Jussara Peters; Oliveira, André Lacerda.
Ci. Anim. bras.; 15(2)2014.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-745021

Resumo

The cardiopulmonary bypass (CPB) promotes major changes to the body of the patient that needs to be subjected to this procedure, but it can be circumvented or minimized with specific maneuvers for each situation. Despite being an established technique in human medicine, there are still improvements to be achieved. The purposes of this work were to clarify the cardiopulmonary bypass and inform its hemodynamic effects when applied to dogs. Four mongrel healthy dogs were used. The animals were anesthetized and monitored and samples were collected (T0). After that, the animals underwent median sternotomy and cannulation of the aorta and cranial and caudal vena cava and they were kept in CPB for a period of 30 minutes (T1), then disconnected from the CPB machine during 30 minutes in reperfusion process (T2), followed by one hour of reperfusion (T3), and then they were euthanized. The following parameters were evaluated: mean arterial pressure (MAP), central venous pressure (CVP), oxygenation (SaO2) and capnography (ETCO2). MAP, CVP and SaO2 remained within normal limits during the times evaluated. Although the observed average of ETCO2 was low in one of the experimental animals, it maintained the values within the normal range in most experimental animals. We concluded that CPB can be performed in dogs without severe hemodynamic compromise, considering the parameters evaluated in this experiment.
A circulação extracorpórea (CEC) promove alterações graves no organismo do paciente que necessita ser submetido a esse procedimento, que pode, no entanto, ser contornadas ou minimizadas com manobras específicas para cada situação. Apesar de ser uma técnica já estabelecida na medicina humana, ainda existem avanços a serem alcançados. Objetivou-se com este trabalho descrever a técnica de circulação extracorpórea e informar seus efeitos hemodinâmicos quando aplicada em cães. Utilizaram-se quatro cães hígidos, sem raça definida. Os animais foram submetidos à anestesia e monitoramentos e coletas sanguíneas foram realizadas (T0). Em seguida, os animais foram submetidos à esternotomia mediana, canulação da artéria aorta e veias cava cranial e caudal e mantidos por um período de 30 minutos em CEC (T1), foram, depois, desconectados da máquina de CEC, permanecendo por 30 minutos em processo de reperfusão (T2), seguidos de uma hora de reperfusão (T3), sendo, então, eutanasiados. Avaliaram-se os seguintes parâmetros: pressão arterial média, pressão venosa central, oxigenação (SaO2) e capnografia (ETCO2). PAM, PVC e SaO2 permaneceram dentro da normalidade durante os tempos avaliados, já a média observada do ETCO2 estava abaixo apenas em um dos animais experimentais, porém os valores mantiveram-se dentro da normalidade na maioria dos animais experimentais. Concluiu-se que a CEC é possível de ser realizada em cães, sem prejuízos hemodinâmicos graves, considerando-se os parâmetros avaliados neste experimento.
Biblioteca responsável: BR68.1