Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Community ecology of the metazoan parasites of the Atlantic thread herring, Opisthonema oglinum (Lesueur, 1818) (Actinopterygii: Clupeidae) from the Sepetiba Bay, Rio de Janeiro, Brazil

Chaves, L.; Paschoal, F..
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-745560

Resumo

Abstract This study aimed to evaluate the parasitic fauna of Opisthonema oglinum (Lesueur, 1818) from Southeastern Brazil. Between September 2017 and March 2018, a total of 100 specimens of O. oglinum from the Sepetiba Bay, Rio de Janeiro, Brazil (22°54'S, 43°34'W) were examined. Ninety one specimens of O. oglinum were parasitized by at least one species of metazoan with a mean of 5.84 ± 7.98 parasites/fish. Seven species were collected: 2 digeneans, 2 monogeneans, 2 copepods and 1 nematode. The digenean Parahemiurus merus (Linton) was the most abundant and dominant species, representing 43% of metazoan parasites collected. The parasite species richness was positively correlated with the total length of the hosts. Only Neobomolochus elongatus Cressey showed a positive correlation between host's total length and parasite prevalence. The mean parasite species diversity was not correlated with host's total length, but significant differences among the mean parasite diversity between males and females was observed. Opisthonema oglinum represents a new host record for Caligus mutabilis Wilson, Hysterothylacium sp. and Cribomazocraes travassosi Santos and Kohn. The copepod N. elongatus is recorded for the first time on the Brazilian coast.
Resumo Este estudo teve como objetivo avaliar a fauna parasitária de Opisthonema oglinum (Lesueur, 1818) do Sudeste do Brasil. No período entre setembro de 2017 e março de 2018, um total de 100 espécimes de O. oglinum provenientes da Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro, Brasil (22°54S; 43°34O), foram examinados. Noventa espécimes de O. oglinum estavam parasitados por pelo menos uma espécie de metazoário com média de 5,84 ± 7,98 parasitos/peixe. Sete espécies foram coletadas: 2 digenéticos, 2 monogenéticos, 2 copépodes e 1 nematoide. O digenético Parahemiurus merus (Linton) foi à espécie mais abundante e dominante, representando 43% dos metazoários parasitos coletados. A riqueza parasitária foi correlacionada com o comprimento total do hospedeiro. Apenas Neobomolochus elongatus Cressey apresentou correlação positiva entre o comprimento total do hospedeiro e a prevalência parasitária. A diversidade média de espécies de parasitos não apresentou correlação com o comprimento total do hospedeiro, mas foram observadas diferenças significativas entre a diversidade média de parasitos entre machos e fêmeas. Opisthonema oglinum representa um novo registro de hospedeiro para Caligus mutabilis Wilson, Hysterothylacium sp. e Cribomazocraes travassosi Santos and Kohn. O copépode N. elongatus é registrado pela primeira vez na costa Brasileira.
Biblioteca responsável: BR68.1