Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Clinical and microbiological characteristics of dogs in sepsis in an academic veterinary hospital in the north of Paraná

Camargo Junior, Valdair E.; Arias, Mônica V. Bahr; Perugini, Marcia R.E..
Pesqui. vet. bras; 40(11)2020.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-760522

Resumo

ABSTRACT: Sepsis is a life-threatening organ dysfunction caused by a patients unregulated response to an infectious process. In veterinary medicine, the exact incidence of sepsis is unknown. Early recognition of sepsis in critically ill patients is essential for rapid and effective therapeutic intervention. The present study aimed to apply the criteria of an adapted sepsis assessment protocol based on the Second International Consensus Definition for Sepsis and Septic Shock or Sepsis-2 of human medicine, in canine patients with suspected systemic inflammatory response syndrome (SIRS) and/or organ dysfunction, and to identify infectious agents as well as their antimicrobial resistance profile in the focus of infection, in the bloodstream and colonizing the rectal mucosa. Patients were evaluated for survival and severity of sepsis. Of the 37/42 dogs that met the sepsis criteria, six presented septic shock, 26 (70.2%) had at least two signs of SIRS, and sepsis with organ dysfunction was diagnosed in 27 (73%) dogs. The primary dysfunctions observed were decreased level of consciousness in 21/37 (56.8%), hyperlactatemia in 19/37 (51.4%), and hypoalbuminemia in 18/37 (48.6%). Two or more SIRS signs associated with hypotension and hypoalbuminemia were related to more than half of the deaths. The most frequent infectious focus was skin and soft tissue in 20/37 (54%), followed by organs and cavities in 8/37 (21.6%). The survival rate was 56.7%. Blood culture confirmed bacteremia in nine patients (24.3%), with a predominance of Gram-positive microorganisms (Staphylococcus intermedius, Streptococcus spp.) in 66.6% of dogs and one yeast (Candida glabrata). The most frequent bacteria in the focus of infection were gram-negative bacteria (46.2%), mainly Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, and Pseudomonas aeruginosa, in 19.5%, 14.6%, and 12.1%, respectively. We observed colonization by gram-negative bacteria such as E. coli-ESBL (31.5%), K. pneumoniae-ESBL (15.7%), and P. aeruginosa (15.7%), and the presence of ESBL bacteria was more associated with death when compared with other microorganisms. Vancomycin-resistant Enterococcus (VRE) were isolated from rectal mucosa in four dogs. Gram-negative microorganisms were the most frequent in both infections and colonization, and most of them were resistant to fluoroquinolones, sulfonamides, tetracyclines, and cephalosporins. Based on this information, it can be concluded that mortality due to sepsis in dogs was high. Due to the presence of multi-resistant bacteria, the use of antimicrobials should be judicious, suggesting the implementation of the same precautions used in human hospitals to prevent the spread of multi-resistant microorganisms.
RESUMO: A sepse é uma disfunção orgânica ameaçadora à vida, causada por uma resposta desregulada do hospedeiro à infecção e na medicina veterinária sua incidência exata é desconhecida. O reconhecimento precoce da sepse nos pacientes críticos é essencial para que a intervenção terapêutica seja rápida e eficaz. Assim, os objetivos do presente estudo foram aplicar os critérios de um protocolo de avaliação da sepse adaptado com base no Segundo Consenso Internacional para Sepse e Choque Séptico, ou Sepse-2, da medicina humana, em pacientes caninos com suspeita de infecção e/ou Síndrome da Resposta Inflamatória Sistêmica e/ou disfunção orgânica e identificar os agentes infecciosos bem como seu perfil de resistência a antimicrobianos no foco de infecção, na corrente sanguínea e colonizando a mucosa retal. Os pacientes foram avaliados quanto à sobrevivência e severidade da sepse. Dos 37/42 cães que se enquadraram nos critérios de sepse, seis estavam em choque séptico, 26 (70,2%) apresentaram pelo menos dois sinais de SIRS, e a sepse com disfunção orgânica foi diagnosticada em 27 (73%) cães. As principais disfunções verificadas foram diminuição do nível de consciência em 21/37 (56,8%), hiperlactatemia em 19/37 (51,4%) e hipoalbuminemia em 18/37 (48,6%). A presença de dois ou mais sinais de SIRS associados com hipotensão e hipoalbuminemia estiveram relacionadas com mais da metade dos óbitos. O foco infeccioso mais frequente foi pele e partes moles em 20/37 (54%) seguido por órgãos e cavidades em 8/37 (21,6%). A taxa de sobrevivência foi de 56,7%. Na hemocultura confirmou-se bacteremia em nove pacientes (24,3%), com predominância de microrganismos gram-positivos (Staphylococcus intermedius, Streptococcus spp.) em 66,6% dos cães e uma levedura (Candida glabrata). As bactérias mais frequentes no foco de infecção foram as gram-negativas (46,2%) principalmente Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa, em 19,5%, 14,6% e 12,1% respectivamente. Foi constatada colonização por bactérias gram-negativas como E. coli-ESBL (31,5%), K. pneumoniae-ESBL (15,7%) e P. aeruginosa (15,7%), sendo que a colonização de cães por bactérias ESBL foi associada ao óbito quando comparada com outros microrganismos. Foram também isolados da mucosa retal Enterococcus resistentes à vancomicina (VRE) em quatro cães. Os microrganismos gram-negativos foram os mais frequentes, tanto nas infecções quanto nas colonizações e a maioria apresentava resistência à fluorquinolonas, sulfonamidas, tetraciclinas e cefalosporinas. Com base nestas informações, conclui-se que a mortalidade em decorrência da sepse em cães foi alta, e devido à presença de bactérias multirresistentes, o uso de antimicrobianos deve ser criterioso, sugerindo-se ainda a implantação das mesmas precauções utilizadas em hospitais humanos para evitar disseminação de microrganismos multirresistentes.
Biblioteca responsável: BR68.1