Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Vestibular syndrome in giant anteater (Myrmecophaga tridactyla) / Síndrome vestibular em tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla)

Oliveira, Fabrício Singaretti de; Carvalho, Paula Fernanda Gubulin; Camargo, Mauro Henrique Bueno de; Delfini, Aline; Martins, Leandro Luís.
Semina Ci. agr.; 30(3): 683-686, 2009.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-763028

Resumo

The vestibular syndrome is a well-defined disease in domestic animals but little known in wild ones. Here this affection of central origin is described in a caquetic adult female giant anteater (Myrmecophaga tridactyla), which presented circling behavior, extensor hypermetry in thoracic limbs, head tilt and spontaneous horizontal and positional vertical nystagmus. The animal received tube feeding twice daily and dexamethasone was given subcutaneous once daily at the dosis of 6mg/kg, with a progressive improvement of health after the second day of treatment. Dose was reduced to a half from fourth to sixth day, and to a quarter on seventh day, when the animal died. On the fifth day, however, circle deambulation had ceased and hypermetry, head tilt and nystagmus were reduced. Treating vestibular syndrome is a challenge in wild animal practice. Treatment is affected by hyporexia and anorexia, making difficult the animals´ health improvement, which generally present muscle atrophy.   
A síndrome vestibular é uma afecção bem descrita em animais domésticos e pouco relatada em selvagens. Este relato descreveu essa afecção de origem central em uma fêmea adulta de tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), caquética, apresentando deambulação em círculos, hipermetria extensora nos membros torácicos, desvio da cabeça e nistagmo espontâneo horizontal e posicional vertical. O animal foi alimentado por sonda oral, 2x/dia e instituiu-se tratamento com dexametasona subcutânea na dose 6mg/kg, 1x/dia, com melhora progressiva a partir da segunda administração. A dose foi diminuída pela metade do quarto ao sexto dia, e reduzida novamente à metade no sétimo dia, quando ocorreu óbito. Entretanto, no quinto dia de tratamento, a deambulação em círculos foi interrompida, e a hipermetria, desvio da cabeça e nistagmo diminuídos. O tratamento de animais selvagens com síndrome vestibular é um desafio e é prejudicado pela hiporexia ou anorexia, dificultando a recuperação dos mesmos, que geralmente apresentam diminuição da massa muscular.   
Biblioteca responsável: BR68.1